Em entrevista exclusiva, Samuca Silva fala sobre os avanços e desafios de uma cidade como Volta Redonda - Divulgação
Em entrevista exclusiva, Samuca Silva fala sobre os avanços e desafios de uma cidade como Volta RedondaDivulgação
Por O Dia
Volta Redonda - O município de Volta Redonda completa 66 anos de emancipação política em meio a uma pandemia. Diante dos desafios impostos por conta deste período, o governo municipal decidiu realizar uma celebração virtual. Diversas atrações e atividades foram organizadas e seguem até sábado, dia 18, através do site: 66anos.voltaredonda.rj.gov.br.
Para falar um pouco mais sobre o aniversário da cidade, o prefeito Samuca Silva, em entrevista exclusiva, comentou sobre legados, desafios e conquistas. E fez a seguinte afirmação: “Estamos fazendo o que precisa ser feito. O momento é de salvar vidas para que possamos retornar na crescente que estávamos”.
Publicidade
Confira a entrevista:
O DIA - Prefeito qual a avaliação que o senhor faz da cidade de Volta Redonda neste aniversário de 66 anos?
Samuca Silva – “Volta Redonda estava em uma crescente. Depois de anos em estagnação política, administrativa, financeira e de investimentos, estávamos estruturando nossa cidade para um grande crescimento. E isto virá agora com Polo Metalmecânico, o novo petróleo do Rio de Janeiro. Depois da construção da CSN, o Polo Metalmecânico será o grande marco da nossa cidade. Quando as pessoas já começavam a perceber uma melhora em todos os aspectos, em todas as áreas, veio a pandemia e paralisou tudo. Nosso governo foi estruturante, de gestão, e que oportunizou muitos avanços mesmo com todas as dificuldades encontradas”.
Publicidade
O DIA - Nos últimos dias o senhor tem falado sobre os legados que ficarão para a cidade. Quais seriam esses legados?
Samuca Silva – “Listo os 17 legados que ficarão para nossa cidade: Rodovia do Contorno, Arena Esportiva, Clínica de Diálise, Hospital Santa Margarida, Hospital do Idoso, Tarifa Comercial Zero, Novo Zoológico Municipal, Parque Natural de Volta Redonda, reabertura e municipalização do Restaurante Popular, creches em tempo integral que não existiam, Jardim Botânico, três novas unidades da saúde da família inauguradas, Polo Metalmecânico, grandes eventos como ano novo, natal e festival de arrancadas, banda larga nas escolas, licitação da empresa de ônibus, ações de transparência e controladoria geral. São 17 de muitos legados que deixaremos. Mas todas estas são obras listadas, que as pessoas cobravam a utilização e funcionamento. São legados que ficam para quem mais precisa, o mais humilde”.
O DIA - Ouvimos alguns moradores de Volta Redonda que falaram sobre a história da cidade para o país. Poderia compartilhar, na sua opinião, o que torna Volta Redonda tão marcante?
Samuca Silva – “Volta Redonda representou o berço da siderurgia. Aqui começou a transformação da indústria brasileira. E agora com Polo Metalmecânico, Volta Redonda se reencontra com sua história. Nosso povo representa o que é a população brasileira: trabalhadora, de fibra, de pessoas de bem, que cobra e exige políticas públicas voltada para as pessoas”.
Publicidade
O DIA - Diante da pandemia da covid-19, dos desafios econômicos o que dizer para população de Volta Redonda neste aniversário?
Samuca Silva - “Ninguém poderia imaginar um momento igual a este, no momento que estávamos apresentando resultados positivos, aconteceu a queda brusca de arrecadação. Com minha experiência em gestão, vamos vencer este momento delicado. Estamos controlando o vírus, vamos vencer a pandemia e vencer a crise econômica originada pelo vírus. Que a população confie, pois decisões difíceis são necessárias na maior pandemia do século, mas que iremos vencer juntos todas as dificuldades. Estamos fazendo o que precisa ser feito. O momento é de salvar vidas para que possamos retornar na crescente que estávamos”.