Samuca cria comissão para acompanhar relação entre OS e médicos do HSJB - Divulgação
Samuca cria comissão para acompanhar relação entre OS e médicos do HSJBDivulgação
Por O Dia
Volta Redonda - Uma reunião para debater a situação dos médicos do pronto socorro do Hospital São João Batista e da Organização Social (OS) que faz a gestão da unidade, foi realizada com o prefeito de Volta Redonda, Samuca Silva, nesta sexta-feira, dia 24.
Participaram do encontro, os membros da Procuradoria Geral do Município, Secretaria de Saúde e Gabinete de Estratégia Governamental. Samuca Silva criou uma comissão para acompanhar a próxima reunião entre os médicos e a OS, que acontecerá na próxima terça-feira, dia 28, às 19 horas.
Publicidade
Segundo o prefeito toda a situação é acompanhada para que uma solução seja encontrada.
"Nenhum profissional deixou a unidade oficialmente. Estamos acompanhando o problema e atuando para resolver as arestas criadas diante do vínculo profissional entre eles”, informou Samuca.
Publicidade
Samuca Silva cria comissão para acompanhar relação entre OS e médicos do HSJB - Divulgação
O prefeito ressaltou que a população não será prejudicada diante do impasse entre os profissionais e a OS.
Publicidade
“Há uma divergência técnica sobre as metas da OS, valores repassados e o referido desconto de valores, mas nem os médicos e nem população vão sofrer. Entretanto, a gestão pelos técnicos da secretaria de Saúde está ocorrendo e determinei a regularização dos repasses à OS para, posteriormente, efetuarmos possíveis descontos no contrato", disse Samuca.
Durante a reunião, foram avaliadas as metas cumpridas pela OS, os protocolos e demais procedimentos. De acordo com a secretária de Saúde, Flávia Lipke, a equipe acompanha as conversas entre OS e médicos.
Publicidade
"A OS tem metas a cumprir e a prefeitura está com pagamento em dia junto à entidade. Lógico que é um momento de pandemia e há corte em todos os contratos da prefeitura. Mas garantimos que a unidade está funcionando normalmente e a população não será afetada", concluiu Flávia Lipke.