Juliana Carvalho lança campanha em Volta Redonda - Reprodução/ Redes Sociais
Juliana Carvalho lança campanha em Volta RedondaReprodução/ Redes Sociais
Por O Dia
Volta Redonda - A candidata Juliana Carvalho do Psol fez uma live no domingo, dia 27, para marcar o início oficial da campanha eleitoral à prefeitura de Volta Redonda. De acordo com informações da assessoria, por conta da pandemia da covid-19, o Psol optou por não fazer este lançamento de campanha nas ruas, para evitar aglomerações.
Na transmissão ao vivo pelas redes sociais, Juliana Carvalho, que tem como candidato a vice, Anderson Xavier, falou sobre seu histórico e sobre os temas que são importantes para o partido.
Publicidade
“Passando para lembrar que hoje é o início da nossa campanha eleitoral e eu estou na disputa pela prefeitura junto com meu companheiro Anderson. Eu sou Juliana Carvalho, tenho 35 anos, sou mãe, professora na periferia, de onde também dou oriunda. Estamos participando da disputa eleitoral pelo PSOL, esse partido bonito e coletivo, de organização popular e dos movimentos sociais. Lembrando que hoje é um dia pra gente também refletir sobre a condição de nossa juventude, nossas crianças, nossos adolescentes, nossos jovens, ainda são maiores vítimas de violência física e sexual dentro da família, ainda temos índices altíssimos de evasão escolar, ainda convivemos com alimentação inadequada, ainda temos a situação do extermínio em massa da nossa juventude negra e o seu encarceramento”, disse.
Durante a live, a candidata Juliana Carvalho mencionou a importância da data 27 de setembro.
Publicidade
“É um dia muito importante para as religiosidades católica, umbandista e candomblecista. Hoje é dia de Cosme e Damião, mas é dia Erê e ibejada também. É um dia de alegria e cura, é muito importante que a gente se cure dos males do racismo, do machismo e da LGBTfobia e a essa cura também depende da gente transformar a nossa cidade num exemplo de liberdade religiosa para todo o país e pensar que o gestor público não pode produzir políticas públicas a partir de um segmento religioso, mas ele deve, com certeza, promover a liberdade religiosa para todos os segmentos religiosos”, declarou.