Temer e primeira-dama deixam desfile de 7 Setembro aos gritos de 'golpista'

Peemedebista chegou em carro fechado, acompanhado da esposa Marcela e quebrou uma antiga tradição: não passou revista às tropas

Por O Dia

Brasília - Mesmo com entrada restrita para convidados nas arquibancadas mais próximas da tribuna de honra no desfile de 7 de Setembro em Brasília, não foi possível abafar as vaias de protesto contra o presidente Michel Temer. Esta é a primeira aparição pública do presidente Michel Temer no Brasil, após o processo de impeachment que resultou no afastamento da Dilma Rouseff. 

O peemedebista chegou em carro fechado, acompanhado da esposa Marcela e quebrou uma antiga tradição: não passou revista às tropas. Ele foi recebido pelo governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, e o ministro da Defesa, Raul Jungmann.

Temer e a primeira-dama Marcela durante desfile de 7 de Setembro%2C cercados por Rodrigo Maia%2C Ricardo Lewandowski%2C Alexandre de Moraes e outros Agência Brasil

Assim que anunciado pela produção do evento, o presidente foi vaiado pela plateia. Durante a execução do Hino Nacional, as pessoas continuaram a entoar gritos de "Fora Temer" e "golpista" Um grupo de pessoas tentava, sem sucesso, abafar as vaias e gritava "Brasil pra frente, Temer presidente" em apoio ao peemedebista.

Por volta das 11h, o presidente Michel Temer e a primeira-dama Marcela Temer deixaram a Esplanada dos Ministérios, depois de assistirem ao desfile, no momento em que a Esquadrilha da Fumaça fazia sua tradicional apresentação. Assim que Temer deixava a tribuna de honra, os gritos de "Fora Temer" e "golpistas, fascistas não passarão" recomeçaram na arquibancada ao lado. Dessa vez, no entanto, os gritos foram abafados pelo som da cerimônia. 

Agora, o casal segue para a recepção no Palácio do Itamaraty, no Rio, para os chefes de Estado que vêm para a abertura da Paralimpíada.

Temer e a primeira-dama Marcela durante desfile de 7 de SetembroDivulgação

Protestos

A movimentação era tranquila no início da manhã. Um grupo estendia quatro faixas com os dizeres: “Fora Temer, eleições já”, deixando-as visível para quem descia o Eixo Monumental em direção ao Congresso Nacional. Mais tarde, outros movimentos também estenderam suas faixas de protesto. Ao todo, mais de 90 entidades se posicionam contra o governo Temer e questionam a legitimidade da tomada de poder, que classificam como golpe.

“O ato faz parte de uma série de ações contra o governo. Não concordamos com as propostas para diversas áreas, como educação, comunicação”, diz Breno Lobo, integrante do movimento Juntos - Juventude em Luta.

Militantes do PT estenderam uma faixa verde e amarela de 150 metros já usada no 7 de Setembro do ano passado. O “Não vai ter golpe” de 2015 virou “Fora Temer”, escrito em vermelho.

Segundo os organizadores%2C cerca de 5 mil pessoas protestam contra Temer em Brasília Mídia Ninja

O protesto foi convocado pelas redes sociais, recebeu mais de 4 mil confirmações e 4,6 mil manifestaram interesse no ato pelo Facebook, em Brasília. Ações semelhantes foram convocadas em outras cidades do país. A manifestação “Fora Temer”, une-se, este ano, ao Grito dos Excluídos, protesto tradicional de 7 de Setembro, que reúne movimentos sociais em busca de visibilidade e melhores condições de vida.

“Neste ano, o nosso lema é Fora Temer, nenhum direito a menos. Vamos deixar claro que não sairemos das ruas”, diz Wilma dos Reis, uma das organizadoras do ato. Em frente a um cartaz do coletivo #Mulherespelademocracia, ela diz que os direitos das mulheres estão ameaçados por diversas medidas do atual governo. “É um governo de homens, héteros e brancos, onde a mulher é vista apenas como decorativa nos altos cargos”.

Últimas de Brasil