Criatividade: a habilidade do futuro

Por

Existe um robô que vê um mestre-cuca preparar um prato e faz tudo sozinho. Depois de filmar uma vez, seus braços mecânicos produzem o mesmo quitute em série. Qualidade garantida. O carro sem motorista vem aí. O que será dos taxistas e motoristas de aplicativo, muitos dos quais já perderam outros empregos para a crise ou para outras máquinas? As vagas de operadores de telemarketing também vão acabar. Estamos nos acostumando a conversar com programas de inteligência artificial cada vez melhores. No campo, nem se fala. Os robôs estão arando, adubando, plantando, colhendo e transportando. Estão condenadas desde profissões repetitivas até o diagnóstico de doenças.

As máquinas roubarão mais e mais empregos. São mais baratas, eficientes e dão mais lucros. É um futuro assustador que nos remete ao filme Matrix, quando o Senhor Smith imobiliza Neo nos trilhos enquanto o trem se aproxima. "Está ouvindo? Este é o som da inevitabilidade", diz Smith, ele mesmo um vírus de computador que adquiriu consciência.

No filme, Neo não é esmagado pelo trem. O personagem de Keanu Reeves espera o momento certo e dá uma pirueta. Não somos heróis, como Neo, mas será que no nosso caso existe alguma pirueta possível, que evite o atropelamento tecnológico? Não sabemos se haverá empregos para todos, mas algumas categorias continuarão sendo procuradas. A mais óbvia: pessoas que falem com as máquinas. Engenheiros de programação, operadores de sistemas, técnicos em informática. E também gente que é capaz de fazer o que os robôs não podem, pelo menos por enquanto: criar.

A inteligência artificial é capaz de aprender qualquer coisa. Ao reconhecer as regras de xadrez, joga com ela mesma até se tornar invencível. O que ela não faz (ainda) é inventar as regras de um jogo. Uma receita de comida. Ou uma música. A gravadora Sony desenvolveu um programa para fazer hits ao estilo dos Beatles. Milhões foram gastos num computador que usou a base de dados das canções da banda para finalmente compor a música Daddy's Car. Pode ser ouvida no Youtube. Pelo visto, foi dinheiro jogado fora. Falta alguma coisa...

Esta coisa que falta é a centelha de criatividade humana. Uma forma mágica de ligar informações aparentemente desconexas que gera algo novo e original. Alguns cientistas dizem que esta é a principal característica da nossa espécie. Nós somos criadores.

Pessoas criativas nem sempre combinam com as empresas tradicionais. São mais rebeldes que a média. Provocadoras, não gostam de rotina. Como desafiam o senso comum, muitas vezes são consideradas chatas. Quer saber? Chato é quem não pensa, não questiona, não tem uma ideia nova. As empresas do terceiro milênio já perceberam isso e buscam criativos a peso de ouro. Aliás, criativos e visionários inventam suas próprias empresas, seus produtos e, portanto, suas carreiras. Isso é cada vez mais válido. Mas, a bem da verdade, não é de hoje. Um novo executivo estava percorrendo as salas do escritório da Ford Motors com o fundador da empresa, Henry. E ficou chocado ao ver um homem dormindo durante o trabalho, com os pés em cima da escrivaninha. "Por que você não demite esse aí?", perguntou ao patrão. Henry Ford respondeu com um sorriso: "É que esse cara teve uma ideia que me gerou um milhão de dólares. Deixa ele dormir. Quem sabe não acorda com outra ideia maravilhosa?".

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários