Flamengo: a melhor empresa do Brasil

Por

Nunca pensei que eu fosse dizer isso. Para começar, não sou flamenguista. Mais do que isso, sou torcedor do Grêmio, que acabou de levar um chocolate de 5 x 0 em pleno Maracanã. Sofri e vi meu filho chorar de raiva enquanto a mãe dele, desalmada, berrava gol (cinco vezes) e comemorava. Ela, fazer o quê, é Flamengo desde criancinha. Como ia dizendo, nunca pensei em elogiar este time. Mas esta coluna existe para ensinar a empreender e falar das melhores empresas, aquelas que dão exemplo. E não há como não falar da melhor empresa do Brasil na atualidade. Veja bem, não se trata do clube, mas do elenco rubro-negro e de seu treinador.

O Flamengo só precisava empatar o jogo, pois tinha feito um gol na primeira partida, em Porto Alegre, que terminou 1 x 1. No primeiro tempo, o Grêmio até tentou surpreender. Renato Gaúcho botou a marcação para cima e mandou os azuis atacarem. Quase saiu o gol tricolor. Não é por ser meu time, o Grêmio é um dos melhores do Brasil. Mas é, também, um time convencional. Joga bem, mas joga como os outros. O Flamengo não.

A empresa do português Jesus é consciente do que faz o tempo todo. 'Leu' a estratégia do adversário e acelerou também. No final do primeiro tempo, os gremistas diminuíram o ritmo, pois não dava para jogar daquele jeito 90 minutos. Estava 0 a 0. No segundo tempo, todo mundo viu o que aconteceu. O Flamengo impôs uma intensidade irresistível e, mais veloz, fez o primeiro gol. Era o que bastava. O Flamengo só precisava do empate e estava ganhando o jogo. O que fariam os treinadores da maioria dos times do Brasil? Ora, era só botar mais um volante de marcação e segurar a partida. Era o que o Grêmio faria.

Só que não. O Flamengo não estava interessado em apenas vencer o jogo. Estava ali para jogar 90 minutos, mesmo ganhando. Marcar, correr, driblar. O resultado da tabela, a classificação era fundamental, claro, mas não é tudo. Por que não fazer mais do que o necessário? Quando uma empresa e seus colaboradores chegam no que se chama 'estado de arte', o céu é o limite. Não há porque ter medo, pois todos estão dando o máximo de si, dentro de uma filosofia acertada, e mais do que isso, todos sentem o prazer de se entregar, de fazer melhor.

Neste momento, a concorrência deixa de ser significativa e fica lá atrás, de olhos arregalados, tentando entender o que aconteceu. E, portanto, vieram os gols em série. O Grêmio, um time de boa marcação e que ainda tem Geromel, o melhor zagueiro do Brasil, virou um fantasma... A diferença de qualidade era gritante.

A nação rubro-negra tem hoje uma coisa rara, um líder. E que é capaz de ensinar e impor sua visão em campo. O que o técnico português ensinou aos jogadores? É fácil dizer: 1) Seriedade e empenho permanente. Ninguém para um minuto, a marcação é constante, não interessa o placar. 2) Inteligência coletiva. O esforço é coletivo e todos se entendem bem. Mas, além disso, vê-se que existe uma inteligência do grupo e é ela que se impõe. 3) Velocidade com objetividade. Não adianta só correr, é preciso ser rápido na direção certa. E por aí vai o Flamengo, renovando os ares não só no futebol, mas no tacanho ambiente empresarial brasileiro.

E agora a pergunta que não quer calar: e você, e a sua empresa? Você está disposto a entregar mais do que seu cliente pediu? Seu time sabe jogar coletivamente, com inteligência, ou é cada um por si? A bola está com você.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários