Indústria fora da caixa

Empresários do Rio apontam, em pesquisa da Firjan, que práticas inovadoras estão possibilitando melhores resultados nas vendas

Por Bernardo Costa

Mesmo depois de descartados no aeroporto de Guarulhos (SP), os pneus dos aviões ainda viajam até o Rio e, na cidade de Lumiar, se transformam em sola de tênis pela empresa Caíques Sapatos Artesanais. A redução de impacto no meio ambiente é um dos resultados que a indústria fluminense está alcançando com os investimentos em inovação, como apontou pesquisa inédita da Firjan. Segundo o estudo, das 333 empresas analisadas no Estado do Rio, 59,5% adotaram práticas inovadoras nos últimos três anos. As principais ações se referem a melhorias do produto final (42,5%) e do processo produtivo (28,2%).

A inovação, revelou o estudo, está ajudando as indústrias a seguirem ativas e conquistarem novos mercados. Do total das empresas analisadas, 66% apontaram impactos positivos nos negócios com a adoção de novos métodos. Em Lumiar, após o solado de pneu de avião, a Caíques investe agora no sapato vegano.

"A demanda dos consumidores por produtos que não levem nenhum componente de origem animal só cresce. Foi o que nos motivou a lançar uma linha em que o couro é substituído por um tecido reciclado, feito com pet e algodão. Estamos tendo uma resposta positiva", diz Iasmine Bon, diretora da Caíques.

O crescimento da mesma demanda é o que motiva a Artesanal Produtos Naturais a investir na experimentação de novos ingredientes para doces e salgados. A empresa, que originalmente produz alimentos integrais, diversificou a fabricação para incluir itens sem glúten e sem lactose.

"Avaliamos constantemente novos ingredientes para um produto cada vez mais saudável. No momento, estamos testando o ponto certo para o pastel com massa de arroz", conta Leonardo Torres, gerente comercial da empresa.

Segundo o estudo, o eixo da inovação ligado à pesquisa e desenvolvimento foi apontado como foco por 23,9% das empresas. Em Itaboraí, a Riomix Argamassas passou a incluir os sacos descartados pelo cliente final na mistura para a fabricação de nova argamassa. "Além de contribuir com o meio ambiente, melhoramos a aderência do produto", explica o diretor Rafael Vieira.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários