‘Plano Alto’, de Marcílio Moraes, deve estrear em setembro na Record

Série vai mostrar manifestações e CPI contra governador

Por O Dia

Rio - Uma história sobre três gerações de políticos contestadores é o mote de ‘Plano Alto’, a nova série da Record, prevista para estrear em setembro. Escrita por Marcílio Moraes, a produção começou a ser gravada semana passada, com Gracindo Jr., Milhem Cortaz e Bernardo Falcão nos papéis principais.

Em 12 episódios, a trama se inicia com os protestos de junho de 2013 e envolve três personagens, que representam manifestantes de diferentes épocas: o governador Guido (Gracindo), que participou da luta armada nas décadas de 60 e 70; seu filho, o deputado João (Milhem), que foi cara-pintada da era Collor, e o neto Rico (Bernardo), envolvido com black blocs.

Marcílio Moraes diz que personagens políticos não são caricatos Divulgação

“A ação se desenvolve em torno de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o governador do Rio de Janeiro. A partir daí, tudo acontece”, conta Marcílio Moraes. “O governador é acusado de corrupção, mas a minissérie não mostra ele roubando.”

Nenhum político é identificado. Mas o autor garante que, embora fictícios, os personagens não são caricatos. Assim como na política, ele diz que a história vai deixar o espectador tirar suas próprias conclusões: “Não tem um personagem que você diga: ‘Ah, esse é um bandidão’. Essas coisas nunca são claras, tem o jogo do poder. Na política, de um modo geral, essa luta é um negócio ambíguo.”

A série vai usar imagens do noticiário sobre as manifestações do ano passado. Cenas de quebra-quebra nas ruas também serão gravadas com atores e figurantes. “Vamos mostrar os problemas que estão acontecendo no país”, avisa o autor.

Conhecido por sucessos na Record como a novela ‘Vidas Opostas’ (2006) e o seriado ‘A Lei e o Crime’ (2009), Marcílio garante que teve liberdade para escrever, apesar de mexer com um tema tão áspero. “Não recebi recomendação da emissora para não falar de alguma coisa. Eu solto o verbo mesmo, sem identificar ninguém. Mas não estão ali a presidente Dilma nem o Lula”, diz.

Ambientada no Rio e em Brasília, a trama também vai ter romance, cenas de sexo e uma investigação policial. Tudo no contexto da política. Segundo o autor, o final da história vai ficar em aberto, deixando margem para a segunda temporada.

Últimas de Televisão