Justiça começa a ouvir testemunhas de acusação em ação penal contra Bumlai

Pecuarista é acusado de atuar para a contratação irregular da Schahin para operação do navio-sonda de exploração de petróleo em alto mar

Por rafael.souza

Curitiba - O juiz federal Sérgio Moro, que conduz os processos da Operação Lava Jato em primeiro grau, começou a ouvir as testemunhas de acusação na ação penal que envolve o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que participou da reforma do Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP). Ele é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro no esquema na Petrobras, envolvendo o PT.

José Carlos BumlaiEfe

Nesta segunda-feira, foram ouvidos o auditor da Petrobras que trabalhou na comissão interna que apurou irregularidades na contratação do Grupo Schahin para operação do navio-sonda - de exploração de petróleo em alto mar - Vitoria 10000. Robson Cecílio da Costa confirmou ao juiz a contratação direta da Schahin.

Bumlai é acusado de atuar para a contratação irregular da Schahin, em contrapartida a um empréstimo de R$ 12 milhões concedido ao PT, em 2004, em nome do pecuarista e nunca pago.

Moro ouviu ainda dois administradores de fazendas do Grupo Schahin. Bumlai havia apresentado a dação de embriões de gado nobre para fazendas do grupo como parte da quitação da dívida. Os administradores confirmaram nunca terem recebido nas propriedades rurais os embriões.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia