Delcídio diz que Mercadante prometeu ajuda financeira pelo seu silêncio

Segundo o delator, seu assessor foi procurado em três ocasiões no mês de dezembro

Por lucas.cardoso

Brasília - Em acordo de delação premiada, o senador Delcídio Amaral (PT-MS) afirmou que o ex-chefe da Casa Civil do governo Dilma Rousseff e atual ministro da Educação Aloizio Mercadante prometeu dinheiro e ajuda para que Delcídio não procurasse o Ministério Público Federal (MPF) e colaborasse com as investigações da Operação Lava Jato.

No depoimento à Procuradoria-Geral da República (PGR) homologado nesta terça-feira, no Supremo Tribunal Federal (STF), Delcídio afirma que, durante o período em que esteve preso preventivamente por causa da Operação Lava Jato, seu assessor, Eduardo Marzagão, foi procurado em três ocasiões no mês de dezembro do ano passado por uma a assessora de Mercadante conhecida como Cacá e pelo próprio ministro.

Mazagão gravou as conversas que teve com o ministro, que passou um recado para Delcídio "ter calma e avaliar muito bem a conduta a tomar, diante da complexidade do momento política". O ministro da Educação teria prometido que a situação de Delcídio se resolveria e que o pagamento de honorários com advogados "poderia ser solucionado". O parlamentar disse aos investigadores que o recado era de que o PT bancaria sua defesa.

Senador Delcidio Amaral (sem partido-MS) Marcos Oliveira/Agência Senado

Delcídio também afirmou que acredita que o ministro agia como emissário da presidente Dilma Rousseff. Segundo o ex-líder do governo no Senado, Mercadante é um dos poucos que possui a confiança da presidente, e que teria dito que "se ela tiver que descer a rampa do Planalto sozinha, eu descerei ao lado dela".

Em outra conversa de Marzagão com Cacá, a assessora de Mercadante, ela teria dito que a promessa feita pelo ministro a Delcídio não tinha sido esquecida. E que Mercadante procuraria o presidente do Supremo, ministro Ricardo Lewandowski, e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) para que eles tomassem partido a favor da soltura de Delcídio.

O senador também afirmou que Mercadante iria "abrir a porteira" se Delcídio contasse ao MPF o que sabia. Mas que, apesar disso, salientava que o deixaria a vontade para decidir o que achasse melhor. Para Delcídio, essa posição reforçava a intenção de Mercadante para que o senador permanecesse calado.

O ex-líder do governo firmou o acordo com a PGR para colaborar com as investigações e fez acusações contra a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Delcídio deixou a prisão em 19 de fevereiro, após ter ficado quase três meses na cadeia acusado de tentar obstruir as investigações da Operação Lava Jato.

Mercadante nega tentativa de comprar silêncio

O ministro Aloízio Mercadante convocou a impresa e negou ter oferecido vantagem financeira em troca do silêncio de Delcídio do Amaral. Mercadante disse que procurou o senador por iniciativa própriia para oferecer solidariedade. Mercadante destacou que os trechos da gravação das conversas entre ele e o assessor de Delcídio excluem o trecho em que ele enfatizou, sobre o processo contra Delcídio: "Eu não vou me meter na defesa dele. Não sou advogado, não tenho o que fazer. Não sei do que se trata, não conheço o que foi feito."

Segundo Mercadante, ele apenas sugeriu que se procurada uma solução no âmbito do Senado, procurando a assessoria jurídica. "Estou à disposição para esclarecer o que for necessário. Só peço que vocês transcrevam o trecho que não foi publicado. Minha motivação foi pessoal e de solidariedade", disse Mercadante.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia