Força-tarefa da Lava Jato exige novos fatos e confissão ampla

Grupo Odebrecht tornou pública nesta quarta-feira intenção de executivos da empresa de fechar uma colaboração efetiva com os investigadores, em busca de redução de pena

Por bianca.lobianco

Paraná - Os procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato, em Curitiba, não abrem mão da ampla confissão do empreiteiro Marcelo Bahia Odebrecht em um eventual acordo de delação premiada. O Grupo Odebrecht tornou pública nesta quarta-feira, 23, a intenção de executivos da empresa de fechar uma colaboração efetiva com os investigadores, em busca de redução de pena.

Preso desde 19 de junho de 2015 e condenado pelo juiz federal Sérgio Moro a 19 anos de prisão, no mês passado, em um primeiro processo em que foi réu, Odebrecht estaria entre os executivos que buscam acordo.

Além de confessar ter conhecimento e ascendência sobre o "departamento da propina" desvelado pela Operação Xepa - 26.ª fase deflagrada na terça-feira -, procuradores da força-tarefa querem detalhes sobre a corrupção em outras obras e áreas do governo. Algumas delas já estão no radar da Lava Jato, como o setor de plataformas na Petrobras, o estádio Itaquerão, em São Paulo, o Porto Maravilha, no Rio, entre outras.

LEIA MAIS:

Lava Jato diz que só aceita acordo se Marcelo Odebrecht assumir plena culpa

'Lava Jato é uma necessidade para o país', diz Lula

A lista da polêmica: 200 políticos na lista da grana da Odebrecht




Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia