Não concordo com decisão da CNA de apoiar o impeachment, diz Kátia Abreu

A única unidade estadual da confederação que se manifestou contra o impeachment foi de Tocantins, a mesma que elegeu a ministra como senadora

Por lucas.cardoso

A ministra da Agricultura%2C Katia AbreuJosé Cruz/Agência Brasil

Brasília - A ministra da Agricultura, Kátia Abreu, afirmou que não concorda com a decisão da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) de anunciar apoio formal ao impeachment da presidente Dilma Rousseff. Ao Broadcast, a ministra afirmou que, mesmo tendo uma opinião diferente, respeita a decisão do órgão. "Embora não concorde, respeito a decisão da CNA, que é uma entidade de classe independente", disse. Ela afirmou, ainda, que, como está licenciada da presidência da entidade, não pode interferir nas decisões da confederação.

Apesar disso, a única unidade estadual da CNA que se manifestou contra o processo de impeachment foi de Tocantins, Estado que elegeu a ministra Kátia Abreu como senadora. Na manhã desta quarta-feira, o presidente da entidade, João Martins, afirmou que o setor começa a ser prejudicado pela crise econômica e cobrou um pacto nacional pela recuperação do País. Ele disse que a ministra se afastou do "produtor rural ao continuar a defender um governo que a cada dia mais está se desintegrando".

Segundo Martins, o estopim para a decisão foram as declarações do secretário de administração e finanças da Confederação dos Trabalhadores da Agricultura (Contag), Aristides Santos, que na semana passada convocou, em evento no Palácio do Planalto, invasões de terras de parlamentares ruralistas.

No governo, a avaliação vai na mesma linha da justificativa de Martins, de que as entidades que integram a CNA, que tentavam se manter neutras em meio a deterioração do cenário político, se viram pressionadas por suas bases depois da fala da Contag. Fontes avaliam que pode haver mais desgaste entre governo e ruralistas a depender do fechamento do Plano Safra. Com o caixa do Tesouro limitado, o governo tem ventilado que pode não ter dinheiro suficiente para manter os mesmos recursos subsidiados que colocou no projeto na última safra.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia