Dilma faz paralelo com golpe na Turquia

Presidente afastada compara seu processo à situação turca

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - A presidente afastada, Dilma Rousseff, comparou ontem seu processo de impeachment com a tentativa de golpe na Turquia. Para uma plateia de estudantes e professores em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, Dilma criticou também o governo interino de Michel Temer.

“Um dos maiores argumentos dos golpistas é que nós não vivemos o golpe, porque não há armas, não há tanques nas ruas, não há tiroteio”, disse a presidente. “A Turquia sofreu um golpe tipicamente militar. Lá, você tem a tentativa de tirar o governo. Aqui nós temos um golpe parlamentar, que alguns chamam de golpe frio. Se você imaginar que num golpe militar você tem um machado atacando a árvore da democracia, no golpe parlamentar, você tem um parasita atacando essa árvore”, afirmou Dilma .

A estudantes e professores%2C da região do ABC paulista%2C Dilma diz que o Brasil vive um “golpe parlamentar”Roberto Stuckert Filho/PR

Para ela, por trás de seu impeachment há uma “ambição pelo parlamentarismo”, pois o sistema de votos proporcionais criaria “filtros” oligárquicos nas eleições. “O parlamento no Brasil é mais conservador que o Executivo.”

No sábado, o ex-presidente turco Abdullah Gul gerou polêmica ao declarar à “CNN” que “a Turquia não é um país da América Latina” para ter um golpe de Estado. “A Turquia não é um país da América Latina ... Eu estou me referindo àqueles que tentam derrubar o governo e voltar a seus quartéis”, disse Gul.

Ontem, Dilma aproveitou ainda para criticar o projeto de Temer que limita o aumento do gasto do governo federal à inflação por dez anos. Para ela, o teto de gasto vai fazer com que as despesas per capita caiam na educação e na saúde por causa da elevação anual do número de atendidos do sistema público em cada área.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia