Coluna Esplanada: Investigadores da Lava Jato se dividem sobre delação de Cunha

Uma ala tem esperanças de que o ex-deputado abra a boca para se livrar de anos na cadeia; outra acha que ele vai se complicar quanto mais falar

Por thiago.antunes

Brasília - Os investigadores da Lava Jato estão rachados. Uma ala tem esperanças de que o ex-deputado federal Eduardo Cunha abra a boca para se livrar de muitos anos de cadeia, e entregue gente que não está na lista.

Outros acreditam que Cunha vai dar tempo ao tempo e será um novo ‘Marcelo Odebrecht’, e relutará muito. Partem da premissa, com base em informações sigilosas, de que ele sabe que vai se complicar quanto mais falar.

O segredo

A PF e o MPF já sabem que Cunha bancou dezenas de campanhas de parlamentares em 2010 e 2014. Será difícil ele explicar de onde veio o dinheiro e por quê.

O segredo 2

A PF investiga informação sobre um cofre de Cunha em um banco no Rio de Janeiro. Sem dinheiro, com documentos.

Corporativo

Cunha foi cassado, esculachado, preso, será sentenciado e o PMDB mantém sua filiação, sem reclamar. Outros políticos foram expulsos da legenda.

Provocação?

O surgimento do policial federal hipster – com coque no cabelo e barba ‘lenhador’ – escoltando Eduardo Cunha veio apenas cinco dias após o diretor-geral da PF, delegado Leandro Daiello, criticar estereótipo dos agentes que aparecem na mídia nesses casos da Lava Jato. O misterioso agente virou tema das matérias e dos debates das redes sociais.

Fora do padrão

Na palestra, feita para policiais em Porto Alegre, Daiello lembrou da importância da imagem da PF. Citou um tênis branco sem o padrão da botina preta determinada, numa outra operação. O cabelo e barba do hipster não são problema. É que, além de ser surpresa na operação, ele não usava o uniforme da PF.

No mais

Tem gente na cúpula da PF achando ser provocação da Fenapf, a federação dos policiais, contra Daiello. As classes dos delegados e dos policiais não se bicam.

Dilma na pista

A ex-presidente Dilma desfila por Porto Alegre numa Frontier com um motorista e um segurança, e faz questão de baixar o vidro para ser reconhecida. A filha Paula, que também perdeu comitiva de luxo, dirige o próprio carro.

É guerra 1

O prefeito de Belém e candidato à reeleição, Zenaldo Coutinho (PSDB), teve seu registro cassado pelo juiz da 97ª Vara Eleitoral por suposta compra de votos. Ele disputa o segundo turno contra Edmilson (PSOL), praticamente empatados.

É guerra 2

O clima anda tenso em Saquarema, na região dos Lagos do Rio, com a prisão de um candidato derrotado do PMDB à Prefeitura. Foram cinco para a cadeia, suspeitos de compra de voto – até um médico. A PF grampeou todo mundo durante a campanha.

Pelo em ovo

Mal Cunha foi preso e petistas soltaram nas redes sociais uma arte do juiz Sérgio Moro com nariz de tucano. Na tese dos defensores do Barba, Moro quer dar uma de imparcial para ter motivos para prender Lula da Silva.

Editora Lava Jato

Cunha será o segundo a concluir um livro na cadeia. Fará companhia a José Dirceu, que faz sua autobiografia antes de ser detido. Marcelo Odebrecht tem um diário.

Ponto Final

A Lava Jato prendeu Cunha e o maior debate nas redes sociais e as matérias mais lidas nos portais de notícias são sobre o coque do cabelo do agente federal que o escoltou.

Coluna de Leandro Mazzini

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia