Ibama diz que obras para conter rejeitos da Samarco estão atrasadas

Rompimento de barragem em Mariana completa um ano no próximo dia 5

Por caio.belandi

Minas Gerais - Balanço do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) apresentado na manhã desta terça-feira em Belo Horizonte sobre o rompimento da barragem da Samarco em Mariana, tragédia ambiental que completa um ano no próximo dia 5, aponta atraso na construção de obras para contenção de rejeitos e também no repasse de recursos a municípios para investimentos em saneamento.

Em relação às obras, a presidente do Ibama, Sueli Araújo, afirma que serão suficientes, mas que o atraso, juntamente com o início das chuvas, traz um "desafio" para o momento. "Com a chuva você não sabe o que vai ocorrer entre Fundão (a barragem da Samarco que ruiu) e Candonga (a represa hidrelétrica que fica no Rio Doce, curso d'água que recebeu a maior parte dos rejeitos, a cerca de 100 quilômetros do local do acidente)." A estrutura conteve parte dos rejeitos que vazaram de Fundão no dia 5 de novembro.

De acordo com o Ibama, há hoje 43,5 milhões de metros cúbicos de metros cúbicos de lama entre Fundão e Candonga. "Reconhecemos o atraso. Não estamos falando que está bem. Falamos que está monitorado", disse Sueli.

Imagem aérea mostra a lama no Rio Doce%2C na cidade Resplendor (MG)%2C afetado pelo rompimento da Barragem do Fundão em MarianaFred Loureiro/Secom-ES

As medidas que vêm sendo tomadas foram definidas no acordo fechado entre a Samarco e suas controladoras, Vale e BHP Billiton, com a União e os Estados de Minas Gerais e Espírito Santo. O acordo foi questionado na Justiça pelo Ministério Público Federal em Minas Gerais, que alegou não ter havido participação da população. A Justiça ainda não decidiu se o acordo valerá ou não. "(O termo) é válido entre as partes independente da decisão judicial", afirmou Sueli. As obras estão a cargo da Samarco.

A presidente do Ibama disse ainda R$ 50 milhões, de um total de R$ 500 milhões previstos no acordo, para municípios investirem em água e esgoto estão atrasados. A justificativa foi o período eleitoral, segundo Sueli. Em função das chuvas, conforme a presidente do Ibama, existe a possibilidade de aumento da turbidez da água no Rio Doce, prejudicando a captação de água para consumo humano.

A presidente do Ibama afirmou ainda que um plano de ação emergencial será implantado para informar a população sobre cuidados a serem tomados em caso de aumento do carreamento de rejeitos para o Rio Doce e afluentes. O aumento da turbidez pode indicar presença de metais pesados na água.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia