Temer espera ter reunião com Cármen Lúcia, Renan e Maia nesta quarta-feira

Segundo interlocutores do presidente, a ideia de marcar a 'DR' é evitar que ruídos entre representantes dos três podere

Por lucas.cardoso

Rio - O presidente Michel Temer quer ter um papel de "conciliador" e agendou para esta quarta-feira,  a princípio às 11 horas, um encontro com os presidentes dos três poderes: Cármen Lúcia (Supremo Tribunal Federal), Renan Calheiros (Senado) e Rodrigo Maia (Câmara). Segundo interlocutores do presidente, a ideia de marcar a "DR" é evitar que ruídos entre representantes dos três poderes possam colocar em risco a agenda de retomada do crescimento que o governo pretende implementar.

O presidente da República, Michel Temer e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo MaiaMarcelo Camargo / Agência Brasil

Nesta terça-feira, mais uma vez, Temer se encontrou com Renan pela manhã no Palácio do Planalto e acertou o encontro a fim de evitar uma crise maior, após as declarações do presidente do Senado causar mal estar com o Judiciário. Para aliados do presidente, essa aproximação com Renan - que esteve pelo terceiro dia com Temer - está sendo considerada bastante positiva.

A conversa com os mandatários dos três Poderes foi agendada após Cármen Lúcia rebater, nesta terça-feira, as críticas de Renan ao juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10.ª Vara da Justiça Federal de Brasília. "Onde juiz for destratado, eu também sou", declarou a presidente do STF. A ministra disse ainda que o Judiciário exige respeito dos demais Poderes da República. Oliveira foi o responsável por autorizar, na sexta-feira, a prisão de quatro policiais legislativos, além de uma operação de busca e apreensão na sede da Polícia Legislativa no Congresso Nacional. Na última segunda-feira,  Renan disse que a operação foi "fascista" e chamou Oliveira de "juizeco".

Caso Moraes

O encontro entre Renan e o ministro da Justiça, Alexandre Moraes, deve acontecer apenas na sexta-feira,  durante o lançamento do Pacto Nacional pela Segurança Pública.

No seu desabafo contra a ação da Polícia Federal, Renan chamou Moraes de "chefete de polícia" após o ministro afirmar que os agentes da polícia legislativa "extrapolaram" a competência.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia