Mais de 250 mil pessoas já foram testadas do novo coronavírus nas 13 unidades de saúde do município, que hoje realiza 10 mil exames do tipo por semana - Divulgação
Mais de 250 mil pessoas já foram testadas do novo coronavírus nas 13 unidades de saúde do município, que hoje realiza 10 mil exames do tipo por semanaDivulgação
Por ESTADÃO CONTEÚDO
Manaus - Pesquisadores do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) desenvolveram uma nova ferramenta para a detecção rápida de linhagens do SARS-CoV-2 de maior importância em circulação no Brasil, por meio do exame RT-PCR.

Diante da importância de maior vigilância genética do novo coronavírus no País, o teste desenvolvido ajudará a controlar a disseminação de cepas ao contribuir para o acompanhamento das linhagens que circulam nas cidades. O ensaio foi desenhado para detectar uma deleção que existe em todas as variantes do vírus, como a brasileira, a da África do Sul e a do Reino Unido.

"A principal vantagem do novo ensaio que estamos utilizando no laboratório é que ele permite diferenciar logo se é uma das variantes. Com essa detecção, a gente consegue direcionar melhor o sequenciamento. Como nós temos um predomínio hoje da P1 no Amazonas, ela nos ajuda a ver exatamente qual é a frequência em relação a outras linhagens já conhecidas no Estado", afirma o pesquisador e vice-diretor de Pesquisa e Inovação da Fiocruz Amazônia, Felipe Naveca.

O pesquisador afirma que existem outros protocolos semelhantes, mas este foi validado frente a 87 amostras já sequenciadas. Segundo Naveca, a tecnologia permite a análise de centenas de amostras diariamente. "O protocolo de PCR em tempo real é muito mais fácil e direto do que o sequenciamento", afirma. O pesquisador, contudo, não informou a quantidade exata.

Diante da importância de maior vigilância genética do novo coronavírus no País, o teste desenvolvido ajudará a controlar a disseminação de cepas ao contribuir para o acompanhamento das linhagens que circulam nas cidades. O ensaio foi desenhado para detectar uma deleção que existe em todas as variantes do vírus, como a brasileira, a da África do Sul e a do Reino Unido.

"A principal vantagem do novo ensaio que estamos utilizando no laboratório é que ele permite diferenciar logo se é uma das variantes. Com essa detecção, a gente consegue direcionar melhor o sequenciamento. Como nós temos um predomínio hoje da P1 no Amazonas, ela nos ajuda a ver exatamente qual é a frequência em relação a outras linhagens já conhecidas no Estado", afirma o pesquisador e vice-diretor de Pesquisa e Inovação da Fiocruz Amazônia, Felipe Naveca.

O pesquisador afirma que existem outros protocolos semelhantes, mas este foi validado frente a 87 amostras já sequenciadas. Segundo Naveca, a tecnologia permite a análise de centenas de amostras diariamente. "O protocolo de PCR em tempo real é muito mais fácil e direto do que o sequenciamento", afirma. O pesquisador, contudo, não informou a quantidade exata.

A nova tecnologia deve estar disponível para diversos laboratórios brasileiros. Conforme a Fiocruz Amazônia, o Laboratório Central de Saúde Pública do Amazonas (Lacen-AM) será o primeiro a usar o produto, que depois seguirá para Rondônia, Roraima, Mato Grosso do Sul, Ceará, Rio de Janeiro e outros laboratórios interessados.

"A gente não tem condições de atender a todos, no primeiro momento, porque a quantidade dos insumos comprados não são suficientes para mandar para o Brasil inteiro, mas com essa validação agora em maior escala, poderemos ter isso em maior quantidade. A Fiocruz já tem uma decisão de incluir esse ensaio no diagnóstico, então, além do diagnóstico dizendo se é Sars-CoV-2 ou não, também, já vai incluir a diferenciação para avaliar se é uma das três variantes de importância", explica o pesquisador.

Variantes no Brasil

Em 12 de janeiro, o ILMD/Fiocruz Amazônia confirmou a identificação de uma nova linhagem do vírus da covid-19 com origem no Amazonas. Um estudo liderado por Naveca apontou que a nova cepa brasileira era recente, provavelmente surgida entre dezembro de 2020 e janeiro deste ano.

Denominada P1, a variante brasileira do Sars-CoV-2 é a que foi identificada recentemente pelo Japão em quatro viajantes (um homem e uma mulher adultos e duas crianças) que retornaram da região amazônica brasileira em 2 de janeiro. O homem chegou a ser hospitalizado, por dificuldades respiratórias, enquanto a mulher e uma das crianças (um menino) tiveram sintomas leves e a menina esteve assintomática.

"A evolução nos vírus é uma coisa já esperada. O Sars-CoV-2 até evolui mais lentamente do que outros vírus RNA, porque tem propriedade de fazer controle disso. Essa variante descoberta no Japão (em viajantes que retornaram do Amazonas) chama muito a atenção, assim como as variantes inglesa e africana, porque acumularam muitas mutações em pouco tempo acima do que estávamos vendo até o momento", afirma o pesquisador.

Pioneiros no sequenciamento genético do Sars-CoV-2 na região norte do País, até 13 de janeiro, Naveca e sua equipe já tinham sequenciado 250 genomas de amostras provenientes do Amazonas, sendo 177 provenientes de Manaus e outros 73 de 24 municípios do Estado.