OCDE sugere remoção de restrições comerciais em meio à pandemia do novo coronavírus

Secretário-geral classificou a crise causada pelo vírus como 'sem precedentes' e expôs as fraquezas em sistemas de saúde ao redor do mundo.

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Secretário-geral da OCDE, Angel Gurría.
Secretário-geral da OCDE, Angel Gurría. -
São Paulo - O secretário-geral da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), Angel Gurría, exortou a comunidade internacional a retirar restrições ao comércio global em meio à pandemia do novo coronavírus. "Essas restrições podem não só afetar o fornecimento de materiais médicos necessários, mas também gerar choques à cadeia produtiva de alimentos e outros bens essenciais", escreveu em carta.

Gurría classificou a crise causada pelo vírus como "sem precedentes" e disse que ela expôs as fraquezas em sistemas de saúde ao redor do mundo. "A pandemia traz consigo o terceiro e maior choque do século XXI, após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2011 e a crise financeira global de 2008", afirmou.

Para superá-la, ele destacou a necessidade de governos agirem de forma coordenada e saudou as ações "ousadas" de bancos centrais no combate aos efeitos econômicos da epidemia. "Precisamos de uma ambição similar àquela verificada com o Plano Marshall, que criou a OCDE, e de uma visão semelhante a do New Deal", salientou, referindo-se ao plano econômico dos Estados Unidos que pôs fim à Grande Depressão de 1929.

Comentários