Em meio à crise do coronavírus, bancos propõem negociar prorrogação de dívidas

Negociação é para adiar pagamento de empréstimos e crédito imobiliário

Por Marina Cardoso

Consumidores poderão negociar dívidas
Consumidores poderão negociar dívidas -

Rio - Com a crise gerada pelo novo coronavírus, famílias têm enfrentado dificuldades para suprir necessidades básicas do dia a dia. Há, ainda, a preocupação de como pagar as contas que chegam agora no começo de abril. Neste cenário, bancos adotaram medidas que possibilitam adiar a quitação de empréstimos e financiamentos imobiliários. Porém, neste momento, os especialistas dizem que o cliente precisa ficar de olho para não cair em armadilha e analisar juros para não ficar endividado lá na frente. 

Segundo a educadora financeira e especialista em finanças Raffaela Fahel, os consumidores precisam atentar se o banco oferecerá algum tipo de multa. "Como partiu das instituições financeiras essa possibilidade de adiamento nos pagamentos de empréstimo e financiamento imobiliário, não há motivo para a cobrança de multa. Foi uma opção receber dois, três meses daqui para frente", orienta ela. 

A educadora financeira explica que há alguns pontos que precisam ser levados em conta. "Quanto mais na frente for pagar, mas juros terá que pagar. Mas há aqueles bancos que afirmaram isentarem os juros. Só que mesmo assim as pessoas não podem esquecer que será um novo cenário e nova correção monetária. A gente precisa pensar que está em um cenário de inflação muito baixa, mas não sabe como será a crise do coronavírus", diz Raffaela.

Outro ponto é que as medidas das instituições bancárias anunciadas não englobam as dívidas com cheque especial e cartão de crédito. Neste caso, se o consumidor tiver alguma reserva, o educador financeiro Reinaldo Domingos indica optar pelo pagamento dessas parcelas. "Essas linhas apresentam os juros mais altos e não foram divulgadas por muitos bancos. O cartão de crédito representa quase 80% das dívidas dos brasileiros. É como se os bancos estivessem dando aspirina para quem precisa de antibiótico", compara ele.

Mas, caso o consumidor necessite adiar o pagamento das contas, os especialistas indicam planejamento de longo prazo das contas para que não se forme uma bola de neve no futuro. Ainda orientam o contato com os bancos para chegarem a um melhor acordo. "Muitos brasileiros não têm reserva financeira e com a falta de entrada de dinheiro dentro de casa, a situação vai apertar. Importante é avaliar este momento e também pensar na saúde financeira do bolso e toda a família", finaliza Domingos.

 

Confira o que os bancos oferecem para seus clientes

O Bradesco, por exemplo, informou que prorroga por 60 dias as prestações de financiamento dos clientes que estiverem em dia com os seus pagamentos. Os juros inicialmente contratados serão mantidos e haverá a cobrança proporcional das taxas, considerando a carência solicitada, para o período restante da operação. Segundo o banco, o adiamento vale para crédito pessoal, crédito parcelado, capital de giro e cheque especial para pessoas física e jurídica. É necessário ligar para agência e pedir a prorrogação. Mais informações no site https://banco.bradesco/coronavirus/index.shtm.

Já os clientes do Santander com parcelas vencidas e não pagas desde o último dia 16 de março, ou que tenham prestações a vencer até 15 de maio, poderão ter o prazo para o pagamento automaticamente prorrogado por até 60 dias, sem qualquer acréscimo. Além da carência, o valor das parcelas será mantido inalterado até o final do financiamento. A repactuação automática abrange as modalidades de crédito pessoal, unificado e de renegociação, além do crédito direto ao consumidor (CDC). 

Quem estiver com o pagamento de suas parcelas em dia deverá fazer o pedido pelo site www.santander.com.br/cuidar. Não é necessário ir à agência ou ligar para a central de atendimento.

O Itaú informou que clientes em dia podem prorrogar a próxima parcela de empréstimos já em aberto por 60 dias, mantendo a mesma taxa contratada inicialmente, sem a cobrança de multa. Aqueles que estão inadimplentes não se aplicam ao grupo elegível, bem como clientes que tenham contratado outras linhas de crédito, como cheque especial.

Já o Banco do Brasil divulgou que oferece a renovação das operações em dia de crédito consignado INSS, com prazo de até 84 meses para pagamento. A possibilidade de renovação está disponível nos canais digitais (App BB e internet) e nos terminais eletrônicos do BB. 

Comentários