Boeing desiste de comprar área de aviação comercial da Embraer

Companhia americana responsabilizou a fabricante brasileira de aviões pela não conclusão do negócio

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Sindicatos se preocupam com um eventual fechamento de postos de trabalho no Brasil
Sindicatos se preocupam com um eventual fechamento de postos de trabalho no Brasil -
Economia - Em meio a maior crise de sua história - que envolve dois acidentes com seu principal avião e a paralisação do setor aéreo em decorrência da pandemia da covid-19 -, a Boeing anunciou que encerrou as negociações para comprar a divisão de aviação comercial da Embraer. As empresas haviam anunciado o acordo de US$ 4,2 bilhões em julho de 2018 e o fim das conversas deixa a empresa brasileira em situação delicada.

A companhia americana, no entanto, responsabilizou a fabricante brasileira de aviões pela não conclusão do negócio.

Em nota, a Boeing afirmou que "exerceu seu direito de rescindir (o contrato) após a Embraer não ter atendido as condições necessárias", mas não especificou quais eram essas condições.

O prazo limite para uma das partes romper o acordo era sexta-feira.

Segundo a Boeing, a joint venture já havia recebido aval "incondicional" da maioria das autoridades reguladoras, com exceção da Comissão Europeia, que iria se posicionar até o dia 7 de agosto.

"A Boeing trabalhou de forma diligente por mais de dois anos para finalizar a transação com a Embraer. Nos últimos meses, tivemos produtivas, mas em última instância, sem êxito, negociações sobre as condições da parceria", diz Marc Allen, presidente da Embraer Partnership & Group Operations da Boeing. "Todos nós trabalhamos para resolver esses pontos antes do prazo, mas não aconteceu. É extremamente decepcionante. Mas chegamos a um ponto no qual a continuidade das negociações não iria resolver os problemas restantes."

Os termos e condições aprovados em 17 de dezembro de 2018 definiram a criação de uma joint venture (Boeing Brasil Commercial) contemplando ativos do segmento de Aviação Comercial da Embraer e serviços relacionados (segmento de Serviços & Suporte) com 80% de participação da Boeing e 20% da Embraer.

Em 10 de janeiro de 2019, o governo brasileiro informou que não exerceria seu direito de veto no negócio das duas empresas.

A Boeing e a Embraer vão manter sua parceria já existente, assinada em 2012 e renovada em 2016, para a fabricação e apoio conjunto da aeronave militar C-390 Millennium.

Comentários