Desalento atinge mais de 5,4 milhões de trabalhadores

Para quem procurar uma vaga de emprego no Estado do Rio, há oportunidades em feira e recrutadoras que oferecem ocupação

Por Marina Cardoso

Gerando Vidas atenderá por agendamento em pequenas turmas
Gerando Vidas atenderá por agendamento em pequenas turmas -

A pandemia tem trazido um cenário arrasador para milhares de trabalhadores em todo o país. Com a crise do coronavírus, o número de desalentados registrou recorde histórico e subiu a 15,3% entre março e maio, conforme a Pnad, do IBGE. Ou seja mais de 718 mil pessoas desistiram de procurar emprego, o que representa universo de 5,4 milhões de trabalhadores sem expectativas. Mas, ainda que as vagas sejam poucas em comparação ao período de pandemia, há oportunidades para se reinserir no mercado.

Nesta semana, a Comunidade Católica Gerando Vidas está com vagas para hoje e amanhã. O candidato deve se inscrever na página (https://www.facebook.com/sougerandovidas). Quem tiver o perfil solicitado será agendado para encaminhamentos. Os selecionados serão direcionados às ações presenciais e vão ser atendidos por agendamento em pequenas turmas, respeitando orientações dos profissionais de Saúde. Há vaga para telemarketing, ajudante de carga e descarga, atendente e técnico em instalação. 

A Gi Group não está com vagas abertas, mas recebe currículos para oportunidades que retomarão as cerca de 200 contratações, entre efetivos e temporários. O cadastro deve ser feito no www.contratando.com.br. Haverá posto de motorista, vendedor e auxiliar de operações. Já a Luandre está com vagas para operador de loja, assistente administrativo, técnico de enfermagem e enfermeiro. Os salários são de R$ 1 mil a R$ 4 mil. O interessado deve se candidatar pelo www.luandre.com.br.

Segundo Lucia Torres, gestora de carreiras, o trabalhador não deve desistir e se manter atualizado. "É interessante ir atrás de cursos, em todas as plataformas de vagas na internet e fazer networking de casa. Invista esse tempo, poste e tenha visibilidade, mas de forma relevante".

Desemprego passa de 12,7 milhões de pessoas no país

Além dos desalentados, a Pnad mostra que a taxa de desemprego foi de 12,9% entre março e maio deste ano. O percentual representa mais de 12,7 milhões sem ocupação e o fechamento de 7,8 milhões postos em relação ao trimestre anterior. A pesquisa divulgou que pela primeira vez menos da metade da população em idade de trabalhar está ocupada, com percentual a 49,5%, além do número de pessoal com carteira assinada ter caído ao menor nível da série histórica, 2,5 milhões empregados a menos. 

Segunda-feira, o Ministério da Economia divulgou fechamento de mais de 331 mil vagas com carteira assinada em maio. No Rio, foram mais de 35 mil. "Com a reabertura do comércio, a Economia não voltará como era antes. O desemprego aumentará", afirma Fernando Lobo, analista de recrutamento.

Comentários