Advogados de Lula repercutem reportagem que expõe conversas entre Moro e Dallagnol

Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Martins afirmam que as conversas demonstram 'atuação combinada entre os procuradores e Moro com o objetivo pré-estabelecido e com clara motivação política, de processar e condenar o ex-presidente

Por iG

Nas mensagens, fica sugerida falta de isenção dos procuradores em episódios como a proibição de que Lula concedesse uma entrevista às vésperas das eleições de 2018
Nas mensagens, fica sugerida falta de isenção dos procuradores em episódios como a proibição de que Lula concedesse uma entrevista às vésperas das eleições de 2018 -
São Paulo - A publicação feita, neste domingo (10), de uma reportagem do site The Intercept , que denuncia uma troca de mensagens atribuídas ao ex-juiz e atual ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, e o procurador da Lava Jato, Deltan Dallagnol , já causa reação por parte da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Afinal, em nota, os advogados do petista já comentaram o conteúdo das conversas e fizeram apontamentos sobre o caso de Lula.

Nas mensagens, fica sugerida falta de isenção dos procuradores em episódios como a proibição de que Lula concedesse uma entrevista às vésperas das eleições de 2018. Além disso, Sergio Moro, que foi o juiz responsável pela condenação do ex-presidente, tem agora a imparcialidade do seu trabalho amplamente questionada.
Em nota, Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Martins, advogados de Lula , afirmam que as conversas divulgadas demonstram "uma atuação combinada entre os procuradores e o ex-juiz Sergio Moro com o objetivo pré-estabelecido e com clara motivação política, de processar, condenar e retirar a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva".
"Ninguém pode ter dúvida de que os processos contra o ex-presidente Lula estão corrompidos pelo que há de mais grave em termos de violações a garantias fundamentais e à negativa de direitos", declaram os advogados, que pedem, de forma "urgente", o restabelecimento da liberdade do petista.
No texto, a defesa do petista reafirma que Lula "não praticou qualquer crime e que é vítima de 'lawfare', que é a manipulação das leis e dos procedimentos jurídicos para fins de perseguição política".
Mais cedo, a Força-Tarefa da Lava Jato classificou a ação como um "ataque criminoso" à operação. Moro também se manifestou sobre as denúncias e declarou que lamenta "a falta de indicação de fonte de pessoa responsável pela invasão criminosa de celulares de procuradores".
O ministro Sergio Moro ainda classifica o conteúdo como "supostas mensagens" e diz que "não se vislumbra qualquer anormalidade ou direcionamento da atuação enquanto magistrado, apesar de terem sido retiradas de contexto e do sensacionalismo das matérias, que ignoram o gigantesco esquema de corrupção revelado pela Operação Lava Jato".

Comentários