Maia: com gastos na pandemia, reformas terão de ser discutidas em outro patamar

Presidente da Câmara citou endividamento público por conta da pandemia do coronavírus

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia
Presidente da Câmara, Rodrigo Maia -
Brasília - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou em transmissão ao vivo do Santander nesta quinta-feira estar convencido de que, com o endividamento público caminhando para "90%, 95%" do Produto Interno Bruto (PIB) devido às medidas para combater a crise do novo coronavírus, reformas como a administrativa e a tributária terão de ser discutidos "em outro patamar" no segundo semestre.

"Para controlar uma relação dívida/PIB maior, o remédio talvez tenha que ser maior, também", disse, referindo-se à repactuação do tamanho do Estado brasileiro e, principalmente, às despesas com salários de novos servidores públicos. Ele ponderou, contudo, que o momento para promover essas discussões não é este, pois a prioridade agora é buscar soluções de curto prazo para os efeitos da pandemia de covid-19.

Sobre a votação do socorro a Estados e municípios, com um alívio financeiro total de R$ 125 bilhões - R$ 60 bilhões em repasses diretos da União -, Maia alertou sobre como a contrapartida do congelamento dos reajustes para determinadas categorias não traz qualquer economia em um momento de queda de arrecadação. Relatou, ainda, que a Câmara decidiu "não entrar em atrito com o Senado" na inclusão de professores entre as categorias imunes ao congelamento.

O presidente da Câmara reforçou, por outro lado, ser positivo que o governo federal tenha iniciado uma "boa relação" com partidos do bloco conhecido como Centrão, que votaram em acordo com o Planalto nessa matéria.

"Organizar essa base de forma transparente, aberta, acho que ajuda o governo. O governo estava sem partido para pedir verificação de votação nas matérias de interesse do governo", comentou Maia. "Formar uma base é importante com partidos que têm influência e experiência no Congresso."

O deputado não crê, no entanto, que os partidos que aderiram à base do governo, como o Progressistas, vão "mudar a sua agenda".

Comentários