Teich exonera 13 funcionários e deixa áreas estratégicas do Ministério da Saúde vazias

Com aumento da presença de militares em cargos na pasta, avaliação de secretários estaduais é que o ministro está sendo 'tutelado'

Por IG - Último Segundo

 Ministro da Saúde, Nelson Teich
Ministro da Saúde, Nelson Teich -
São Paulo - O ministro da Saúde, Nelson Teich, exonerou nesta quinta-feira 13 funcionários da pasta e deixou vazias áreas da pasta consideradas estratégicas para o combate à Covid-19.

Os cargos que ficaram desocupados fazem parte da Secretaria de Atenção Primária à Saúde (Saps), que trata da gestão de postos de saúde, ambulatórios e atendimentos de "saúde da família", e a Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), responsável pela elaboração de diretrizes do governo federal para responder ao avanço do novo coronavírus (Sars-CoV-2).

As trocas no Ministério da Saúde estavam previstas desde a saída do então ministro Luiz Henrique Mandetta (DEM), em 16 de abril. Algumas dessas mudanças foram feitas a pedido dos próprios servidores.

Apesar disso, as trocas tem tido repercussão negativa diante do aumento da presença de militares na pasta. Após reunião de Teich com secretários estaduais nesta quarta-feira, a avaliação foi que o ministro é "tutelado" pelo Palácio do Planalto.

O que causou má impressão também nos secretários foi o fato de a nova gestão estar loteando cargos estratégicos a partidos do Centrão, como PL e PP.

Para rebater as críticas, Teich disse em reunião na Câmara nesta quinta que ele é "o líder" do ministério.

Comentários