Bolsonaro diz querer discutir com Maia congelamento de reajuste de servidores até 2021

Presidente disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, teme que parte dos R$ 60 bilhões aos Estados e municípios previstos no projeto seja usado para reajustar salários de funcionários públicos

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Presidente disse ainda que fala 'a mesma língua' de Maia nesse tema: 'Está todo mundo preocupado com a questão de gastos'
Presidente disse ainda que fala 'a mesma língua' de Maia nesse tema: 'Está todo mundo preocupado com a questão de gastos' -
Brasília - O presidente Jair Bolsonaro disse na quinta-feira que quer discutir com governadores e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), o veto a trecho do projeto de socorro a Estados e municípios que congela reajuste de servidores até 2021. "Ele (Maia) pretende, juntamente comigo, fazer videoconferência com governadores de todo o Brasil e ali sair compromisso no tocante a possível veto ou não de artigos desse projeto", afirmou Bolsonaro em frente ao Alvorada.

Bolsonaro disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, teme que parte dos R$ 60 bilhões aos Estados e municípios previstos no projeto seja usado para reajustar salários de funcionários públicos.

O presidente disse ainda que fala "a mesma língua" de Maia nesse tema: "Está todo mundo preocupado com a questão de gastos. Quase todos prefeitos e governadores estão no limite sobre a questão de gastos."

O presidente prometeu a Guedes que vetaria o trecho do projeto que blinda uma série de carreiras do congelamento, incluindo as de segurança pública. Como mostrou o Estadão/Broadcast, foi o próprio Bolsonaro que deu aval para que o Congresso aumentasse a lista de categorias que podem ter reajuste até o fim de 2021, contrariando as orientações da equipe econômica. Depois, no entanto, Bolsonaro passou a se comprometer, em público, a vetar a possibilidade de reajustes.

Bolsonaro recebeu Maia no Palácio do Planalto mais cedo, após meses de afastamento e trocas de farpas em público. "Não existe ataque entre nós. Estamos vivendo em paz, harmonia, sem problema", disse Bolsonaro.

Ele tem até o dia 27 de maio para sancionar o socorro aos Estados e municípios, com o veto à possibilidade de aumento salarial para o funcionalismo.

Comentários