Marinho diz quetem provas

PGR pediu que Polícia Federal ouça o empresário no âmbito do inquérito do STF, que investiga supostas interferências políticas na PF

Por

Paulo Marinho afirma ter provas das denúncias contra Flávio Bolsonaro
Paulo Marinho afirma ter provas das denúncias contra Flávio Bolsonaro -

A Procuradoria-Geral da República (PGR) determinou a apuração das denúncias de Paulo Marinho no âmbito do inquérito que está no Supremo Tribunal Federal (STF) e apura interferência política de Jair Bolsonaro na Polícia Federal, com base em acusações de Sergio Moro, ex-ministro da Justiça. As denúncias envolvem o vazamento de informações de um delegado da Polícia Federal ao então deputado estadual Flávio Bolsonaro sobre a Operação Furna da Onça - que investigou um esquema de corrupção, lavagem de dinheiro e loteamento de cargos públicos na Assembleia Legislativa do Rio.

Segundo Marinho, o delegado informou que a operação atingiria o gabinete de Flávio na Alerj. Ainda de acordo com o empresário, a PF teria segurado a operação para depois do segundo turno para não atrapalhar o resultado da eleição presidencial.

Ainda não há data marcada para o depoimento, mas o empresário - que está sob proteção policial - garantiu ter provas do que relatou. "Tenho provas, tenho elementos que comprovam o relato que eu fiz. Já adianto que tudo que eu falei vou repetir durante depoimento à PF, rigorosamente igual", disse ao G1.

"Todas as notícias de eventual desvio de conduta devem ser apuradas e, nesse sentido, foi determinada, na data de hoje (ontem), a instauração de novo procedimento específico para a apuração dos fatos apontados", informou a PF.

Relembre o caso

Em entrevista à Folha de S.Paulo, Paulo Marinho disse que foi procurado por Flávio em 2018 para traçar uma estratégia de defesa na investigação sobre um esquema na Alerj. O caso envolveria o assessor de Flávio, Fabrício Queiroz, e a filha dele, Nathália, lotada no gabinete do então deputado federal Jair Bolsonaro.

Queiroz é suspeito de cobrar "rachadinha". O Coaf detectou movimentação superior a R$ 1,2 milhão nas contas de Queiroz, amigo da família Bolsonaro.

 

Comentários