Após organizar marcha semelhante ao KKK, Sara Winter é expulsa do DEM

Ativista de extrema-direita foi expulsa do partido após organizar marcha contra STF com alusão ao famoso grupo nazista dos Estados Unidos

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Sara Winter: tochas no STF e ameaças a autoridades na web
Sara Winter: tochas no STF e ameaças a autoridades na web -
São Paulo - O Democratas (DEM) formalizou, nesta segunda-feira, a expulsão sumária da ativista de extrema-direita Sara Fernanda Giromini, que se autodenomina Sara Winter, do quadro do partido. A sigla argumenta que a decisão foi tomada devido ao "envolvimento da filiada em movimentos radicais contra o Estado de Direito e o Regime Democrático".

"O Democratas repudia, de forma veemente, quaisquer atos de violência ou atentatórios ao Estado de Direito, ao Regime Democrático e às instituições brasileiras", escreveu o presidente do partido e prefeito de Salvador, ACM Neto.
A ativista é uma das lideranças do movimento "300 do Brasil", que montou um acampamento em Brasília. No último sábado, dia 30, o grupo fez um protesto em frente ao STF com tochas e máscaras. O ato foi comparado por parlamentares ao grupo supremacista branco Ku Klux Klan (KKK), dos Estados Unidos.

A apoiadora bolsonarista é uma das investigadas no inquérito das fake news e pode ser alvo de um pedido de prisão do Ministério Público em razão de ameaças dirigidas ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, que conduz a investigação.

Em vídeo publicado nas redes sociais, Winter falou que, se estivesse na mesma cidade que Moraes, chamaria o ministro para "trocar socos". Ela também prometeu perseguir e "infernizar" a vida do ministro, responsável por determinar a operação da Polícia Federal (PF) que apreendeu computador e celular da ativista.

Comentários