Bolsonaro recebe cúpula do PSC, que cobra cargos

Reivindicação foi feita por integrantes da legenda em café da manhã com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair Bolsonaro -
Brasília - Com nove deputados na Câmara, integrantes da bancada do PSC cobraram, na terça-feira, mais espaço no governo em troca do apoio que tem dado em votações de interesse do Planalto. A reivindicação foi feita por integrantes da legenda em café da manhã com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada. O PSC é também o partido do governador do Rio, Wilson Witzel, que se tornou adversário de Bolsonaro e está rompido também com a cúpula da própria legenda.
Após o encontro na residência oficial do presidente, o deputado Otoni de Paula (PSC-RJ) afirmou que o partido quer "tratamento igualitário" do governo em relação a outras siglas. "Foi um encontro de aproximação política, já que o PSC votou quase 90% dos interesses do governo", afirmou. Na visão do parlamentar, o governo conseguirá montar uma base de sustentação no Congresso, pois "está caminhando para a maturidade" política, "sem negociar seus valores".
Nos últimos meses, Bolsonaro passou a negociar cargos em ministérios e autarquias com partidos do chamado Centrão, formado por PP, PL, Republicanos, PTB, DEM, Solidariedade e PSD. O movimento faz parte de uma tentativa do presidente de fortalecer sua base de apoio no Congresso Nacional e se blindar de um eventual processo de impeachment.
Bolsonaro já chamou as práticas do Centrão de "velha política", mas recorreu ao "toma lá, dá cá" diante da escalada da crise política, acentuada pelas investigações que apuram as denúncias de tentativa de interferência na Polícia Federal feitas pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro.
Ainda de acordo com Otoni, o presidente sinalizou, durante a reunião, que está disposto a viabilizar cargos para partidos. Entre os caciques dos partidos que já indicaram nomes ao governo estão alguns políticos investigados na Lava Jato.

Comentários