Fábio Rigo, um dos diretores da empresa de arroz 'Prato Fino', ataca o SUS e diz preferir a lei da selva: 'quem pode mais chora menos'Reprodução/redes sociais

Porto Alegre - A empresa produtora de arroz "Prato Fino" veio a público explicar uma declaração dada por um de seus diretores na tarde desta quinta-feira (26). Por meio das suas redes sociais, Fábio Rigo — filho do fundador Celso Rigo — atacou o Sistema único de Saúde (SUS), questionou a eficácia das vacinas contra o novo coronavírus e declarou que prefere a "lei da selva" ou seja, "quem pode mais chora menos". 
Após a publicação, o perfil de Fábio Rigo no Twitter saiu do ar e seu acesso não encontra-se mais disponível. Em outras plataformas, todas bloqueadas, Rigo deixou uma mensagem em que se justifica alegando que o episódio se trata de uma 'invasão hacker' em sua rede social.
"Infelizmente tive a conta do Twitter hackeada e acabei perdendo o acesso o que me trouxe inúmeros problemas. Já estamos averiguando. Grato", diz o breve pronunciamento.
A equipe de reportagem do iG entrou em contato com Fábio, que não se manifestou até o momento.
A produtora de arroz "Prato Fino", porém, utilizou as suas mídias para se pronunciar e, em seu perfil no Instagram, lamentou o ocorrido com Fábio. A empresa aproveitou, ainda, para alertar seus consumidores dos riscos e perigos dos 'golpes' virtuais. Os comentários da publicação foram bloqueados.
"Nota de esclarecimento e alerta: A PIRAHY Alimentos informa sobre o ataque hacker ocorrido nas redes sociais de um de seus Diretores e alerta a população que atente-se para golpes, geração e multiplicação de informações falsas. Direção. Pirahy Alimentos", diz o comunicado.