Bloco Minhoqueens, no Carnaval de rua, em São PauloEdson Lopes Jr/ Secom

São Paulo - A prefeitura de São Paulo cancelou os blocos de rua do Carnaval deste ano, mas manteve os desfiles das escolas de samba no Sambódromo do Anhembi. A decisão se deve ao aumento no número de casos de coronavírus,  causados pela variante ômicron, e pela influenza. O anúncio foi feito nesta quinta-feira, 6, pelo prefeita da capital paulista, Ricardo Nunes (MDB).
Os desfiles das escolas de samba estão previstos para ocorrer nos dias 25, 26, 27 e 28 de fevereiro. No entanto, o prefeito de SP afirmou que o evento só poderá ser realizado se a Liga de SP estabelecer os protocolos sanitários determinados pela área de saúde, como exigência de certificado de vacinação, uso de máscaras e testagem.
"Por conta da situação epidemiológica está cancelado o Carnaval de rua de SP. Nós vamos sentar com a Liga das Escolas de Samba para combinar um protocolo para a realização dos desfiles no Sambódromo. Caso eles aceitem os protocolos, os desfiles serão mantidos", disse o prefeito de SP. 
A decisão foi tomada após reunião com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e a Vigilância Sanitária municipal. Na reunião, os agentes apresentaram análises que mostram o avanço de casos de covid-19 na capital. 
Apesar do cancelamento nesta quinta, 32 blocos já haviam cancelado ao menos 41 desfiles, e associações de rua lançaram manifesto contrário ao Carnaval neste ano. Cerca de 250 agremiações cancelaram a participação e afirmaram que não aceitariam participar de eventos fechados no Autódromo de Interlagos, na Zona Sul de SP, como a prefeitura vinha estudando até então. 
A decisão da prefeitura de SP é parecida com a anunciada pelo prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), na terça-feira, 4, que manteve os desfiles na Marquês de Sapucaí, mas cancelou os blocos de rua na capital fluminense.
Em reunião com representantes de nove blocos e três megablocos do Rio, Paes ressaltou que os desfiles das escolas de samba na Sapucaí estão mantidos. "Lá nós podemos estabelecer controles efetivos", disse.
Ele também sugeriu, aos blocos de rua, eventos no Parque Madureira, no Parque Olímpico e em outro local a ser definido Zona Oeste. Ambos aconteceriam em ambientes fechados, mas com controle sanitário. A princípio a proposta não foi bem aceita pelos representantes, que entendem que os blocos têm uma relação com seus bairros. Ao finalizar, Paes disse que aceita uma contraproposta. 
Nesta quarta-feira, 5, prefeitura de Recife também cancelou a realização do tradicional carnaval de rua. Em Pernambuco, a cidade de Olinda também confirmou a desistência da realização da festa em 2022. Além dessas capitais, a folia também não ocorrerá em Ouro Preto, em MG, Belém, Belo Horizonte, Campo Grande, Cuiabá, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Recife, Salvador e São Luís.