'Órfãos da Terra' chega a reta final desgastada - Divulgação / TV Globo
'Órfãos da Terra' chega a reta final desgastadaDivulgação / TV Globo
Por IG - Gente

São Paulo - "Órfãos da Terra" chega ao fim e já deixa os telespectadores com saudade da primeira novela da Globo a contar as histórias de força e superação dos refugiados sírios. A trama contou a narrativa de Laila (Julia Dalavia), que viaja para o Brasil com a intenção de fugir da guerra na Síria e para fugir de um casamento arranjado com Aziz Abdallah (Herson Capri).

Na trama de "Órfãos da Terra", Laila encontra Jamil (Renato Góes), o homem por quem se apaixonou no Líbano, no meio de sua viagem para o Brasil, e é ali que a história deles se desenvolve. Daí para frente, muita coisa aconteceu.

Tanta coisa que fica até difícil citar o que deu certo e o que não deu na novela escrita por Duca Rachid e Thelma Guedes. O iG Gente selecionou os destaques positivos e negativos da trama das 18h que se despede nesta sexta-feira (27).

  • Os refugiados
A família de Laila em 'Órfãos da Terra'Divulgação

 

A trama central do folhetim, pelo menos no início, era a narrativa dos refugiados sírios, que tentam sobreviver em meio à guerra na Síria. O tema é forte e muito necessário de ser discutido, já que muitos deles acabam procurando abrigo em diversos países, inclusive no Brasil.

  • Ótimo elenco
Bruno (Rodrigo Simas)TV Globo/Paulo Belote

 

Não dá para negar, o folhetim contou com um ótimo elenco. Herson Capri, Eliane Giardini, Paulo Betti, Osmar Prado, Danton Mello, Marco Ricca, Ana Cecília Costa e Letícia Sabatella sustentaram suas respectivas tramas com experiência. 

Leia também: Elogiado em novela e no "Dança dos Famosos", Kaysar cresce e aparece na Globo

E mesmo o núcleo mais novo, como Filipe Bragança, Julia Dalavia, Alice Wegmann, Renato Góes, Rodrigo Simas, Guilhermina Libanio e Eli Ferreira, por exemplo, deu um show de atuação ao longo da atração da Globo.

Todos eles se destacaram, principalmente, pela imersão em seus papeis, mais ainda quando o assunto foi interpretar uma pessoa de outra nacionalidade, como Marie, Dalila, Jamil e Laila, por exemplo.

  • Do "BBB" para o mundo da atuação
Kaysar em 'Órfãos da Terra'Reprodução / TV Globo

 

Outro destaque que surpreendeu os telespectadores foi a atuação de Kaysar Dadour. O vice-campeão do "BBB18" começou com um papel pequeno na história da atração global e chegou até a sumir por um tempo. 

No entanto, a aclamação chegou para o sírio e Fauze, seu personagem, voltou com tudo e ganhou um certo destaque. Ajudou Dalila (Alice Wegmann) em seus planos contra os protagonistas, arranjou uma namorada, ficou noivo, se virou contra a filha do sheik, confessou seus crimes e até descobriu que seria pai.

Além disso, Kaysar também vem ganhando destaque de forma geral, já que ele é um dos participantes da mais recente temporada do "Dança dos Famosos", no "Domingão do Faustão".

  • A primeira vilã ninguém esquece
Dalila (Alice Wegmann)TV Globo/Victor Pollak

 

Interpretando sua primeira vilã nas novelas, Alice Wegmann é um destaque à parte. Mesmo com uma vingança meio sem noção, a personagem de Alice ganhou seu espaço e conquistou o público. A atuação de Wegmann deixou claro que a atriz, de apenas 23 anos, é capaz de sustentar uma boa vilã como sustentou Dalila Abdallah.

Leia também: Além de "A Dona do Pedaço", confira os maiores barracos das novelas da Globo

Em seu Instagram, a jovem se despediu do papel marcante. "Quando eu fui buscar Dalila, eu não tinha ideia do que ia encontrar. Eu remexi em tanta coisa, cavei, costurei. Esse ano eu renasci. E essa personagem teve parte nisso, nesse renascimento, nessa redescoberta. Viver tanta coisa diferente de mim para então me encontrar mais (...) Shukran", escreveu.

  • Trama perdida
Laila e os pais, Missade e Elias naufragam durante fuga para GréciaReprodução/TV Globo

 

Ainda que seja uma história muito interessante e extremamente necessária de ser contada, a história central da trama, a dos refugiados, se perdeu pelo caminho. Começou bem, com os conflitos na Síria e as dificuldades da família em sobreviver no País, principalmente depois da morte de Khaled, irmão de Laila, após um bombardeio no restaurante da família.

No entanto, depois disso, vida de Laila se tornou fugir de um sheik que queria se casar com ela. A moça finalmente chega ao Brasil e, depois dessa "virada", a saga de Laila e família se resume a isso: continuar escondida dos capangas de Aziz.

A guerra é até mencionada algumas vezes mas, no restante da história, perdeu a força que tinha nos primeiros capítulos. Ninguém mais ouviu falar dos refugiados sírios e o folhetim se tornou a sobrevivência do romance entre Laila e Jamil, com as intervenções malignas de Dalila, já que o sheik Aziz morreu.

  • A indecisão de Elias
Helena (Carol Castro)Reprodução/TV Globo

 

Uma das coisas que mais irritou o telespectador de "Órfãos" foi o chove-não-molha de Elias (Marco Ricca). O engenheiro, casado com Missade (Ana Cecília Costa), veio para o Brasil refugiado com a família e logo se envolveu com Helena (Carol Castro).

Ele traiu a esposa, deixou a família e a psicóloga engravidou. Então, sofreu um acidente e, ao perceber o mínimo interesse de outro homem por sua ex, correu para ela de novo, deixando Helena. Tentou reatar com ela, mas a síria já não queria mais.

Rejeitado, ele tentou voltar com Helena e a relação quase engatou. Depois, Elias percebeu o interesse de Missade em Padre Zoran (Angelo Coimbra) e correu atrás da ex, mais uma vez. Sensata, a chef recusou o ex-marido. E Elias, finalmente, sossegou e ficou sozinho.

  • Outras tramas poderiam ter sido mais exploradas
Cibele (Guilhermina Libanio) e Davi (Vitor Thiré)TV Globo/João Miguel Junior

 

Além da trama principal, que era a de Laila, Jamil e Dalila, outras histórias também ocuparam um espaço no folhetim, mas poderiam ter ocupado mais. A de Davi, por exemplo. O personagem interpretado por Vitor Thiré morava em Israel e era do Exército.

Então, veio para o Brasil visitar a família, se apaixonou por Cibele (Guilhermina Libanio) e poucos dias depois, precisou voltar para o Exército. E morreu. Simples assim. Do mesmo jeito que o rapas judeu apareceu, foi embora.

A história de Valéria (Bia Arantes) e Camila (Anaju Dorigon) também poderia ter sido mais explorada, mas as autoras do folhetim optaram por abordar o romance somente na fase final do folhetim.

  • A vingança bizarra de Dalila
Jamil (Renato Góes) e Dalila (Alice Wegmann)TV Globo/Paulo Belote

 

Ok, a gente sabe que Dalila teve seus motivos para ficar com raiva do casal protagonista da trama, por conta de Laila supostamente ter arruinado a vida dela ao aceitar se casar com Aziz em troca de dinheiro para salvar o irmão.

Mas a moça fugiu e fugiu pra bem longe. Então, Dalila focou na narrativa de que "Laila tem que ser destruída porque roubou Jamil de mim e ele prometeu se casar comigo". O problema é que o coitado não prometeu nada para a moça. Logo, ele não tem que se casar com a vilã.

Na verdade, quem disse que o muçulmano se casaria com Dalila foi Aziz, pai dela, lá no começo do folhetim, como se o rapaz fosse um prêmio de consolação para as atitudes da filha, no maior estilo "se você for boazinha e fizer o que eu mandar, o Jamil se casa com você".

Então, Dalila bate nessa mesma tecla toda sua vida, dizendo que vai matar a rival em "Órfãos da Terra" porque ela "roubou seu futuro marido e merece morrer por isso". A malvada viveu em função disso, tudo era motivo para ela trazer à tona, de novo, a tal promessa que nunca existiu. O público só não se esgotou porque Alice Wegmann deu um show de atuação e, mesmo inconscientemente, os telespectadores criaram um certo apreço pela personagem.

Você pode gostar
Comentários