QuickBooks Connect: Brasil é prioridade para a Intuit

Companhia norte-americana anuncia expansão de negócios no mercado brasileiro

Por VIVIANE FAVER

Lars Leber, diretor para o Brasil da Intuit
Lars Leber, diretor para o Brasil da Intuit -

CALIFÓRNIA (EUA) - O mercado brasileiro é prioridade da Intuit, que anunciou a expansão dos negócios no país, informou ao DIA Lars Leber, diretor para o Brasil da Intuit. “Queremos ser o líder desse segmento no Brasil e estamos bem agressivos no investimento para os próximos meses tanto de equipe como de estratégias de expansão", disse Leber no segundo dia da 5ª edição do Intuit QuickBooks Connect, que acontece na Califórnia, nos Estados Unidos.

O evento nesta terça-feira foi marcado por palestras sobre marketing e soluções financeiras para microempreendedores, um dos focos da companhia, que cria soluções para simplificar a contabilidade de pequenas e médias empresas, consumidores e autônomos.

Os planos para o Brasil já estão em andamento, segundo Lars Leber, que em entrevista exclusiva ao DIA disse que o Brasil é um dos maiores mercados do mundo para a Intuit. "Temos 4 milhões de usuários no mundo e o Brasil terá uma contribuição muito forte para o aumento desse número", avalia Leber.

E a afirmativa do executivo encontra respaldo: o escritório de quase mil metros quadrados inaugurado em São Paulo há um ano já está pequeno, informou. As cidades estratégicas para a Intuit no Brasil são: Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte.

Lars disse que não pode falar o número exato de crescimento da companhia, mas informou que aposta no Brasil. "Acho muito difícil falar de números, mas posso garantir que nossa presença no Brasil não é de curto prazo", garantiu.

"Em todo mundo, 15 mil instituições financeiras estão conectadas com o QuickBooks Online. E movimentam pela plataforma US$ 370 bilhões globalmente por ano", informou o futuro executivo-chefe da empresa, Sasan Goodarzi, que assumirá o cargo em janeiro de 2019.

Para se adequar a cada mercado a companhia estuda as legislações contábeis e as necessidades de cada praça, segundo a companhia. "Fazemos um grande esforço para entender qual problema cada cliente tem em cada país", finaliza Lars Leber.

Edição: Martha Imenes

Últimas de Economia