Secretário diz que prioridade do governo é a geração de emprego

Secretário de Produtividade, Emprego e Competitividade (Sepec) do Ministério da Economia considera inaceitável que o Brasil tenha mais de 26 milhões de pessoas em 'situação trágica de falta de emprego'

Por Agência Brasil

Carlos da Costa disse que também é prioridade recuperar e avançar na produtividade nacional
Carlos da Costa disse que também é prioridade recuperar e avançar na produtividade nacional -

Rio - A prioridade da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade (Sepec) do Ministério da Economia é a geração de empregos, disse nesta quarta-feira, no Rio de Janeiro, o secretário Carlos da Costa. Ele considera inaceitável que o Brasil tenha mais de 26 milhões de pessoas em “situação trágica de falta de emprego”.

Costa disse que também é prioridade recuperar e avançar na produtividade nacional. Segundo ele, o Brasil tem hoje 23% da produtividade média de um trabalhador americano, depois de ter 40% na década de 1980. “Nós vamos recuperar isso nos próximos anos”, prometeu.

Em termos de competitividade, de acordo com Costa, o Brasil também vai mal, e tem piorado no ranking mundial de negócios. “Estamos atrás de mais de 100 países. É uma vergonha”.

A recuperação da competitividade exigirá, segundo o secretário, a redução do Custo Brasil e a melhoria substancial nos indicadores de emprego e produtividade. “Não há, entretanto, metas em termos de prazo para que essas recuperações sejam atingidas”, disse.

Subsídios

Em relação aos subsídios, Costa disse que, como alavanca, “foi muito ruim”. Segundo ele, o governo federal quer inverter a lógica de que subsídios são uma tentativa de dar possibilidade de sobrevivência para muitas empresas brasileiras, “porque não ataca as raízes do problema”.

O secretário adiantou que não serão concedidos novos subsídios. “Nossa decisão, que será anunciada nas próximas semanas, são medidas que destravem os setores produtivos como um todo, não só a indústria. O objetivo é esse: tornar o subsídio desnecessário. Senão, você cria uma relação de dependência das empresas aos subsídios”.

Costa anunciou que o país terá um Plano Nacional de Qualificação, usando a inteligência artificial, que agirá como um grande destravador de todos os setores que dependem de mão de obra qualificada. Ele informou que o Ministério da Economia está trabalhando junto com os setores produtivos para identificar os principais entraves ao seu desenvolvimento.

 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários