Juro médio do rotativo do cartão vai a 300,3% ao ano

Taxa do rotativo passou de 277,2% para 283,7% ao ano de junho para julho

Por O Dia

No caso do parcelado, os juros passaram de 175,6% para 175,2%
No caso do parcelado, os juros passaram de 175,6% para 175,2% -
O juro médio total cobrado no rotativo do cartão de crédito subiu 0,2 ponto porcentual de junho para julho, informou o Banco Central. Com isso, a taxa passou de 300,1% para 300,3% ao ano.
O juro do rotativo é uma das taxas mais elevadas entre as avaliadas pelo BC. Dentro desta rubrica, a taxa da modalidade rotativo regular passou de 277,2% para 283,7% ao ano de junho para julho. Neste caso, são consideradas as operações com cartão rotativo em que houve o pagamento mínimo da fatura.
Já a taxa de juros da modalidade rotativo não regular passou de 316,4% para 311,9% ao ano. O rotativo não regular inclui as operações nas quais o pagamento mínimo da fatura não foi realizado.
No caso do parcelado, ainda dentro de cartão de crédito, o juro passou de 175,6% para 175,2% ao ano. Considerando o juro total do cartão de crédito, que leva em conta operações do rotativo e do parcelado, a taxa passou de 68,1% para 66,1% de junho para julho.
Em abril de 2017, começou a valer a regra que obriga os bancos a transferirem, após um mês, a dívida do rotativo do cartão de crédito para o parcelado, a juros mais baixos. A intenção do governo com a nova regra era permitir que a taxa de juros para o rotativo do cartão de crédito recuasse, já que o risco de inadimplência, em tese, cai com a migração para o parcelado.
Endividamento das famílias
O endividamento das famílias com o sistema financeiro ficou em 44,3% em junho, ante 44% em maio, informou o Banco Central. Se forem descontadas as dívidas imobiliárias, o endividamento ficou em 25,6% em junho, ante 25,4% em maio.
O cálculo do BC leva em conta o total das dívidas dividido pela renda no período de 12 meses. Além disso, incorpora os dados da Pesquisa Nacional de Amostragem Domiciliar (Pnad) Contínua e da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), ambas do IBGE.
Segundo o BC, o comprometimento de renda das famílias com o Sistema Financeiro Nacional (SFN) atingiu 20,6% em junho, ante 20,3% em maio. Descontados os empréstimos imobiliários, o comprometimento da renda ficou em 18,3% em junho, ante 18% em maio.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários