Problema de saúde pública: quem consome cigarro ilegal fuma mais

Por

Segundo o Ibope, a parcela da população que fuma no Brasil permanece estável, em torno de 14%. Por outro lado, os fumantes que passam a comprar marcas ilegais de cigarros acabam fumando uma unidade a mais por dia. E o "mata-rato" está cada vez mais presente. Em 2015, a parcela do mercado inundada por cigarros ilegais no Brasil era de 39%. Em 2019, deve fechar em 57%. Se essa tendência se mantiver, em 2020 as perdas para o país chegarão a R$ 250 bilhões.

O cigarro ilegal tem uma participação cada vez maior por um motivo bem simples: a vantagem econômica que a atividade traz. Enquanto aqui os impostos sobre o cigarro partem de 71%, podendo chegar a 90%, no Paraguai a alíquota é de irrisórios 18%.

A Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) apoia a redução da carga tributária. A elevada alíquota de ICMS para o cigarro acaba fortalecendo a cadeia do contrabando. "O estado precisa entender que reduzindo a tributação, aumenta-se o volume de vendas do cigarro formal, com maior arrecadação", afirma Rodrigo Barreto, gerente Jurídico Tributário da Firjan.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários