Defesa do Consumidor da Câmara orienta na hora da compra na Black Friday

De acordo com o Serasa, o Brasil é o terceiro país que computa um elevado número de fraudes virtuais, tendo em 2018 quase nove milhões de consumidores vítimas de fraudes

Por O Dia , O Dia

Entre os setores em 
oferta estão: beleza, 
shoppings, hotelaria, varejo, cursos, restaurantes, lojas 
de roupas e telefônicas
Entre os setores em oferta estão: beleza, shoppings, hotelaria, varejo, cursos, restaurantes, lojas de roupas e telefônicas -
Rio - Black Friday chegando e com ela aumenta a preocupação do consumidor nas compras pela internet. Para colaborar com a população que nessa época utilizam cartões de débito e crédito para pagamento online, a vereadora Vera Lins (PP), presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara Municipal do Rio de Janeiro (CMRJ), orienta para os riscos dessas compras eletrônicas; já que de acordo com o Serasa, o Brasil é o terceiro país que computa um elevado número de fraudes virtuais, tendo em 2018 quase nove milhões de consumidores vítimas de fraudes, sendo que cerca de 40% tiveram clonados seus cartões de crédito e débito.

De acordo com a parlamentar, nesse momento em que inúmeras ofertas são apresentadas quase que instantaneamente, o consumidor precisa estar atento a possíveis fraudes e ao baixo preço de alguns produtos, que podem ser apenas uma isca para que seus dados sejam clonados.

"Normalmente, na euforia da compra, o consumidor esquece de verificar se esse mesmo produto não teve seu valor alterado semanas antes da Black Friday, e na semana do evento, abaixam esse valor e acabam vendendo pelo mesmo preço que apresentavam anteriormente; isso sem falar em taxas e fretes que também podem estar sendo cobrados", disse.

Vera destaca também a importância de evitar alguns endereços online que aceitam somente pagamentos através de boletos bancários e de apenas utilizar os endereços onde no canto esquerdo apareça um cadeado, que comprova ser seguro navegar sem nenhum tipo de problema futuro.

"A idoneidade do vendedor tem que ser pesquisada por você,consumidor, que também precisa ficar de olho quando for concluir a compra, pois os preços podem ser diferentes. O consumidor não pode em momento algum se sentir constrangido em reclamar e denunciar qualquer tipo de irregularidade, pois ele é o principal fiscal da sociedade", explicou.

A comissão lembra ainda, que é preciso ficar atento as compras feitas nas lojas virtuais, tem um prazo de uma semana para serem canceladas quando da entrega do produto; isso sem falar no prazo de 30 dias que o consumidor tem para trocar produtos defeituosos, conforme preconiza o Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Qualquer tipo de irregularidade ou ilegalidade, pode ser feita através do Facebook, no endereço https://m.facebook.com/ComissaoMunicipalDeDefesaDoConsumidorRJ. Ele também pode registrar sua reclamação pelo e-mail consumidor@camara.rj.gov.br, e postá-la no site www.camara.rj.gov.brclicando no “reclame aqui” do link da Defesa do Consumidor, ou no
número 0800 285 2121.

Comentários