'Revisaço' vai alterar todas as normas e regulações federais

Governo federal quer revisar, em apenas 18 meses, todas as regulamentações, portarias, instruções normativas, ofícios e avisos do governo federal

Por MARTHA IMENES

Adriane Bramante: alteração de uma regra pode engessar a própria exigência de concessão e análise de benefícios
Adriane Bramante: alteração de uma regra pode engessar a própria exigência de concessão e análise de benefícios -
Um decreto publicado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, propõe revisar todas as regulamentações, como portarias, resoluções, instruções normativas, ofícios e avisos, orientações normativas, diretrizes, recomendações e despachos de aprovação em apenas 18 meses. "Todo procedimento administrativo será modificado e isso traz uma insegurança jurídica significável", explica a presidente do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP), Adriane Bramante. A advogada reforça que as instruções precisam estar adequadas a lei, do contrário poderão gerar uma enxurrada de ações na Justiça. 
Ela explica que a alteração de uma regra pode engessar a própria exigência de concessão e análise de um benefício. Um exemplo trazido pela especialista foi em relação aos benefícios rurais que, através da publicação da Circular 46 em junho deste ano, mudou o procedimento administrativo, aumentando de 30% para 60% os indeferimentos do INSS para os benefícios rurais.

"O IBDP concorda que as regras hoje são excessivas e precisam ser simplificadas, mas tal procedimento precisa ser feito com cautela e não realizado de maneira apressada, diante do risco de resultar em alterações indevidas das regras existentes e agravar ainda mais as dificuldades dos cidadãos e a judicialização", conclui Bramante.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários