MP da regularização fundiária deve derrubar preços altos, diz Bolsonaro

"Alguns produtos que subiram de preço brevemente começarão a voltar para a normalidade tendo em vista produção que essa MP estimulará", afirmou.

Por ESTADÃO CONTEÚDO

-
Brasília - O presidente Jair Bolsonaro disse, nesta terça-feira, que devem cair "brevemente" preços de produtos devido a edição da medida provisória que trata da regularização fundiária. "Alguns produtos que subiram de preço brevemente começarão a voltar para a normalidade tendo em vista produção que essa MP estimulará", afirmou.

O presidente não afirmou se a carne bovina é um dos produtos que deve ter preços reduzidos. De acordo com dados da Escola de Agricultura da Universidade de São Paulo (USP), entre 31 de outubro e o final de novembro, o preço real da carne aumentou em 35,3% em São Paulo.

Entre as razões, estão a recuperação da demanda interna, as secas prolongadas, o grande volume de exportações para a China e a alta do dólar, que tornou o produto brasileiro ainda mais competitivo no mercado internacional.

Bolsonaro disse que a MP é uma continuação da obra do ex-presidente Médici, que governou o Brasil de 1969 a 1974, um dos períodos mais duros da ditadura militar. Segundo Bolsonaro, o ex-presidente "fez com que Brasil se interessasse pelo seu interior".

Bolsonaro assinou a medida provisória em cerimônia no Palácio do Planalto. O texto "simplifica e moderniza a análise necessária para a concessão de títulos" de terra, segundo o Planalto.

O governo afirma que a MP deve beneficiar cerca de 300 mil famílias. Segundo a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, os terrenos regularizados devem ter média de 80 hectares. O Incra afirma que há 9.469 assentamentos ocupando uma área de quase 88 milhões de hectares no País.

A ministra Tereza Cristina disse que a MP "talvez seja a maior política social deste País". Ela afirmou que a conferência das informações para regularização será feita por meio de tecnologias como satélites e drones.

"Em breve acabará fila para obter crédito ou compra e venda de imóveis", disse a ministra do MAPA. "Pequeno produtor não estará mais condenado a produzir somente para subsistência", completou.

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse que a MP é a Lei Áurea do produtor rural brasileiro, em comparação com a regra assinada em 1888 que acabou com a escravidão no Brasil.

Autodeclaração

O governo não usou o termo "autodeclaração" para explicar como será feita a titulação das terras.

A mudança na legislação sobre regularização de terras é uma bandeira do secretário de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Nabhan Garcia. Ao apresentar a proposta, em setembro, o secretário disse que as mudanças permitiriam a entrega de terra por "autodeclaração". O termo não foi bem recebido por ala ruralista ligada à ministra do MAPA, Tereza Cristina, por indicar que o posseiro indicaria a área a ser titulada e o governo aceitaria.

O temor da ala da ministra era de explosão de judicialização e conflitos no campo, além de abertura de margem para grilagem de terras. Tereza Cristina, no entanto, tem dito que o termo foi mal interpretado, pois, ainda que o produtor indique a área a ser titulada, será preciso apresentação de robusta documentação

Segundo fontes do ministério, a MP foi discutida em grupo de trabalho no Palácio do Planalto e o texto consolidado exige uma série de documentos comprobatórios que devem ser apresentados pelo interessado na regularização da terra.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários