Queda na rentabilidade da caderneta de poupança é a maior desde 2016

Fatores como o aumento da inflação e a queda da Selic influenciaram no resultado

Por Maria Clara Matturo*

Na prática, o saldo não diminui, mas o investimento perde poder de compra
Na prática, o saldo não diminui, mas o investimento perde poder de compra -
Rio - A caderneta de poupança registrou a maior perda de rentabilidade desde 2016. Apesar de ter registrado uma valorização nominal de 2,67% nos 12 meses, fechados em setembro de 2020, a caderneta teve uma perda de 0,46%, como mostram os dados da Economática. A perda acontece quando se desconta o avanço da inflação de 0,64%, no último mês, a maior de setembro desde 2003.

Apesar do retorno baixo, a poupança continua sendo uma opção popular entre os brasileiros. De acordo com informações divulgadas pelo Banco Central, no mês passado, os cidadãos aplicaram R$13,2 bilhões a mais do que sacaram de suas cadernetas. Essa captação é 51% maior, se comparada ao mesmo período em 2019, quando os brasileiros depositaram R$8,72 milhões a mais do que tiraram. O resultado apontado pelo BC é o maior desde setembro de 1995.

"A rentabilidade da poupança segue uma regra, que leva em conta alguns fatores, que basicamente com a queda da Selic a rentabilidade fica comprometida", reforçou o economista Gilberto Braga, que caracteriza a caderneta de poupança como "o investimento tradicional da família brasileira".

O conhecimento do recurso e confiabilidade histórica, são fatores relevantes para o crescimento dessas aplicações, afirma o economista: "as pessoas continuam aplicando na poupança porque é um investimento tradicional da família brasileira. Entre não ganhar nada, deixar o dinheiro dormindo no banco e aplicar, elas aplicam na poupança porque há um conhecimento, uma confiança e uma praticidade".

Gilberto reforça ainda, a facilidade de se abrir uma conta poupança como outra característica importante: "muitos bancos oferecem uma poupança espelho, o cliente pode contratar essa poupança e o dinheiro que sobra no final do expediente bancário, na conta do correntista, é automaticamente depositado em uma poupança. Os outros investimentos, dependem do preenchimento de ficha, cadastro, contato com o gerente, a poupança não, o cidadão comum pode abrir sem qualquer tipo de burocracia".

Na prática, o rendimento negativo da poupança não significa que o saldo da caderneta vai diminuir, mas que o investimento não aumentou tanto quanto o preços, então a pessoa acaba tendo uma queda no seu poder de compra.
*Estagiária sob supervisão de Thiago Antunes

Comentários