Segurança de shopping tenta impedir que cliente pague almoço para criança

'Ele não vai comer. O meu trabalho é esse', diz o funcionário, que impede a atendente de entregar o prato de comida ao menino; shopping pede desculpas

Por Beatriz Perez

Conflito em praça de alimentação: segurança tenta impedir que cliente pague almoço para menino
Conflito em praça de alimentação: segurança tenta impedir que cliente pague almoço para menino -

Bahia - O segurança de um shopping em Salvador, na Bahia, tentou impedir um homem de pagar um almoço para um menino e causou indignação em quem estava na praça de alimentação. Na tarde desta segunda-feira, o autônomo Kaique Sofredine, de 20 anos, estava no Shopping da Bahia com sua esposa e sócia, quando foi abordado por um menino vestindo a camisa do Esporte Clube Vitória, vendendo chicletes, que reclamou estar com fome.

"Você quer mesmo comer?" perguntou o homem. O menino disse que sim e Kaique foi ao balcão pedir a refeição. Foi quando um segurança do shopping começou a tentar impedir a ação. Segundo uma testemunha, o homem disse que o menino não podia estar ali incomodando. Kaique retrucou que não estava sendo incomodado.

Uma mulher que estava na praça de alimentação começou a gravar o conflito. O vídeo publicado na página de Kaique teve mais de 400 mil compartilhamentos até a publicação desta matéria. 

Pelas imagens, é possível ver que o segurança intervém quando o homem já está no balcão para fazer o pedido.

"Eu vou pagar e ele vai comer." "Ele é um ser humano como outro qualquer, ele vai comer."

"Ele não vai comer. O meu trabalho é esse", diz o segurança, que impede a atendente de entregar o prato de comida aos dois. 

"Eu queria ver se fosse o seu filho que estivesse na rua passando fome." 

As frases são ouvidas no vídeo. Após o bate-boca, o segurança chama reforço. No vídeo, o agente chega a segurar a criança pelo braço, mas o cliente a toma para si.

Após a chegada de um supervisor, finalmente Kaique consegue comprar o almoço para o menino. O menino aponta para o segurança que lhe impediu de receber a refeição e é contido pelo supervisor. Ele alertou que o menino seria retirado do empreendimento depois que comesse, segundo uma testemunha. Ao final da refeição, o menino foi acompanhado por Kaique até a saída do shopping. 

No vídeo, o jovem diz que iria processar o shopping, o que está sendo estudado por sua advogada. 

Kaique diz que não esperava que o vídeo tivesse tanto alcance. Segundo ele, a postagem foi uma forma de divulgar a situação."Fiquei muito triste", desabafou. Religioso, ele diz que costuma participar de distribuição de comida na rua. "Foi na vivência do Candomblé, com meu pai de santo, que aprendi a ajudar as pessoas. Eles sempre promovem essas ações", comentou. 

Em nota de posicionamento, o Shopping da Bahia pediu desculpas pelo ocorrido. O empreendimento, diz que decidiu afastar o profissional de atividades relacionadas a atendimento ao público para trabalhar a sua reabilitação. O shopping afirma que o funcionário não teve nenhuma orientação que suporte suas ações. 

O empreendimento diz que a orientação é de coibir ações de comércio informal e de crianças e adultos que tentem abordar clientes com pedidos de dinheiro, alimentos ou produtos. Em nota, diz que orienta a segurança a não ultrapassar este limite. "A decisão do cliente é soberana e tem que ser respeitada, sem nenhuma ação violenta ou que gere constrangimento", afirma.

Últimas de Brasil