Estudantes se fantasiam de goleiro Bruno e Macarrão em festa e causam revolta

Jovens aparecem segurando um saco de lixo com o nome de Eliza Samudio; Instituto Federal do Sul de Minas em Inconfidentes divulgou nota de repúdio

Por O Dia

Estudantes do Instituto Federal do Sul de Minas em Inconfidentes (MG) se fantasiaram de goleiro Bruno e Macarrão
Estudantes do Instituto Federal do Sul de Minas em Inconfidentes (MG) se fantasiaram de goleiro Bruno e Macarrão -

Rio - Dois estudantes resolveram se fantasiar de goleiro Bruno e seu ex-braço direito Macarrão (Luiz Henrique Ferreira Romão) para ir a uma festa universitária e provocaram revolta na internet e uma nota de repúdio da instituição de ensino onde estudam. O caso aconteceu na última quinta-feira em Inconfidentes, no Sul de Minas.

Com a legenda 'Fantasia raiz', um dos estudantes veste uma luva de goleiro e segura um saco preto, no qual se lê 'Eliza Samudio'. 

A publicação foi compartilhada por milhares de usuários. "Nojo. Feminicídio não é piada, é coisa séria!", "Eu não acredito que alguém é capaz de fazer disso uma piada", dizem algumas das críticas. 

Macarrão: progressão de pena - divulgação/Vagner Antônio/TJMG
Macarrão era amigo de infância do goleiro Bruno. À esquerda, tatuagem em homenagem à amizade - Reprodução

O Instituto Federal do Sul de Minas em Inconfidentes (IFSULDEMINAS) divulgou nota de repúdio a qualquer ato que incite a violência de gênero, feminicídio ou qualquer outro tipo de crime. "Consideramos a apologia aos atos citados absolutamente inadmissível e isso não deve ser tratado, em hipótese alguma, como um tipo de brincadeira", diz a nota divulgada nas redes sociais. 

Eliza Samudio desapareceu em 2010 e o corpo nunca foi encontrado, sendo Luiz Romão (Macarrão) condenado por homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado. Ele foi acusado de ajudar o goleiro Bruno Fernandes a se livrar da vítima, com quem teve um filho e se negava a assumir a paternidade.

Bruno na época era jogador do Flamengo e o caso ganhou grande repercussão. O atleta foi condenado inicialmente a mais de 22 anos de prisão, tendo depois a pena caído para 20 anos e nove meses. Ele cumpria pena em Varginha, no Sul de Minas, até ser transferido em junho deste ano para uma Apac (Associação de de Proteção e Assistência ao Condenado) do município, onde é obrigado a estudar e trabalhar.

Macarrão deixou a cadeia em março deste ano. Ele cumpria pena no Presídio Doutor Pio Canedo, em Pará de Minas (MG), e obteve  o direito de passar para o regime aberto. Luiz Henrique Ferreira Romão tenta refazer a vida na cidade de Pará de Minas, a 90 quilômetros da capital mineira. Macarrão e Bruno se conheceram quando Romão tinha 9 anos e desde então eram parceiros inseparáveis, até Macarrão declarar, em audiência em 2012, que Bruno acabou com sua vida. 

Galeria de Fotos

Estudantes do Instituto Federal do Sul de Minas em Inconfidentes (MG) se fantasiaram de goleiro Bruno e Macarrão Reprodução/ Instagram
Macarrão era amigo de infância do goleiro Bruno. À esquerda, tatuagem em homenagem à amizade Reprodução
Macarrão: progressão de pena divulgação/Vagner Antônio/TJMG

Últimas de Brasil