Mais Lidas

MP fala em esquema profissional de propagação de fake news por WhatsApp

Vice-procurador-geral afirmou que está havendo abusos e que é preciso melhorar as ferramentas da checagem de fatos no aplicativo

Por O Dia

Jaques de Medeiros: 'pagar por difusão de fake news é crime'
Jaques de Medeiros: 'pagar por difusão de fake news é crime' -

Brasília - O Ministério Público acredita que um esquema profissional de propagação de fake news pode estar sendo usado por equipes de campanhas no Brasil. A informação é do vice-procurador-geral Humberto Jacques de Medeiros, que se reuniu nesta terça-feira com representantes do WhatsApp. O aplicativo vem funcionando como o maior propagador de notícias falsas, na forma de memes, distribuídas de forma intensa na campanha.

"É preocupante quando você tem um esquema industrial de produção de mentira com uma propagação artificialmente impulsionada", afirmou, classificando a situação de "grave". "É isso que está sendo investigado em alguns casos", completou.

Jacques afirmou que está havendo abusos e que é preciso melhorar as ferramentas da checagem de fatos no WhatsApp. "No sistema mexicano, você envia a mensagem recebida via WhatsApp a uma agência de checagem, que apura aquilo e devolve o desmentido para todo mundo que enviou aquela mensagem", disse.

O procurador disse que é preciso que "as pessoas sejam zelosas quando passam adiante uma informação que elas receberam e não conhecem a qualidade daquilo". "A lei eleitoral fala que contratar alguém para difundir na internet propaganda negativa é crime, então como é um crime a gente tem que encontrar quem fez isso", disse.

Na reunião, o WhatsApp prometeu avaliar sugestões do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para combater as notícias falsas. Uma das ideias foi a de reduzir a quantidade de vezes que uma mesma mensagem pode ser compartilhada, das atuais 20 para cinco.

Kit gay

O ministro Carlos Horbach, do TSE, determinou a remoção de seis postagens no Facebook e no YouTube em que o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, faz críticas ao livro 'Aparelho Sexual e Cia.', que ele chama de 'kit gay' e afirma que a obra integra material distribuído a escolas públicas na época em que Fernando Haddad (PT) comandava o Ministério da Educação.

A pasta não produziu nem adquiriu o material.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários