Há tentativa de transformar doações ao PSDB em ato ilícito, diz defesa de Aécio

Operação Ross cumpriu, nesta terça-feira, 24 mandados de busca e apreensão na casa do senador Aécio Neves (PSDB-MG) e aliados. Os mandados se destinam a aprofundar a investigação dos supostos crimes de corrupção passiva, organização criminosa, lavagem de dinheiro e associação criminosa

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Policia Federal e Ministério Público na Casa do Aécio Neves, na Av. Vieira Souto, Leblon, Zona Sul do Rio
Policia Federal e Ministério Público na Casa do Aécio Neves, na Av. Vieira Souto, Leblon, Zona Sul do Rio -

São Paulo - A defesa do senador Aécio Neves (PSDB-MG) afirmou em nota enviada à imprensa que a Operação Ross, deflagrada na manhã desta terça-feira, pela Polícia Federal (PF), tem como base as delações de executivos da JBS "que tentam transformar as doações feitas a campanhas do PSDB, e devidamente registradas na Justiça Eleitoral, em algo ilícito".

"A correta e isenta investigação vai apontar a verdade é a legalidade das doações feitas", complementa o advogado Alberto Zacharias Toron. De acordo com Toron, o senador tucano sempre esteve à disposição para "prestar esclarecimentos e apresentar todos os documentos que se fizessem necessários às investigações, bastando para isso o contato com seus advogados"

Na manhã desta quarta, a Operação Ross - um desdobramento da Patmos, deflagrada em maio de 2017 - cumpriu 24 mandados de busca e apreensão em endereços ligados a Aécio e antigos aliados, como o deputado federal Paulinho da Força (SD-SP). Há a suspeita de pagamento, via caixa dois e notas frias, pelo apoio do partido de Paulinho, o Solidariedade.

Operação autorizada por Marco Aurélio, do STF

A operação Ross foi autorizada pelo ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal. A ação é um desdobramento da Patmos, deflagrada em maio de 2017, quando um pedido de prisão chegou a ser feito pela Procuradoria-Geral da República ao tucano, mas negado pelo STF.

Além de Aécio, alvos da operação, segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo, os senadores Antonio Anastasia (PSDB-MG) e Agripino Maia (DEM-RN) e os deputados federais Paulinho da Força (SD-SP), Cristiane Brasil (PTB-RJ) e Benito Gama (PTB-BA)

As vantagens teriam sido solicitadas por parlamentares ao Grupo J&F, que teria efetuado o pagamento a pretexto da campanha presidencial de 2014. Os mandados se destinam a aprofundar a investigação dos supostos crimes de corrupção passiva, organização criminosa, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

As medidas estão sendo cumpridas no Distrito Federal e nos Estados de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Rio Grande do Norte, Mato Grosso do Sul, Tocantins, e Amapá.

Em nota, Paulinho da Força diz que apoiava Aécio desde 2013

O deputado federal Paulinho da Força, presidente nacional do Solidariedade, afirmou em nota enviada à imprensa que o partido dele já apoiava, desde 2013, o senador Aécio Neves.

"A delação da JBS foi desmoralizada publicamente e a fraude realizada pelos delatores foi comprovada com a prisão dos dois empresários pelo Superior Tribunal Federal (STF). A acusação absurda de compra de apoio do partido Solidariedade para a candidatura à Presidência de Aécio Neves, em 2014, beira o ridículo", diz a nota de Paulinho.

Segundo a assessoria do deputado, ele se colocou à disposição da Justiça para prestar quaisquer esclarecimentos, "desde que lhe seja facultado acesso ao processo previamente".

Últimas de Brasil