Mais Lidas

Polícia investiga casos de pessoas picadas com agulhas durante blocos de Carnaval

Apenas no Hospital Correia Picanço, na Zona Norte do Recife, foram mais de cem atendimentos desde sábado por este motivo

Por O Dia

Hospital Correia Picanço, referência de Pernambuco para o tratamento de doenças infecto-contagiosas, atendeu mais de cem pessoas picadas por agulhas
Hospital Correia Picanço, referência de Pernambuco para o tratamento de doenças infecto-contagiosas, atendeu mais de cem pessoas picadas por agulhas -

Recife - Pelo menos 108 pessoas dizem ter sido picadas por seringas durante o carnaval desde sábado no Grande Recife. Todos os pacientes foram atendidos no Hospital Correia Picanço, referência em doenças infecto-contagiosas em Pernambuco. A Secretaria Estadual de Saúde informa que 75 vítimas tiveram indicação para fazer o tratamento usado na prevenção da infecção pelo HIV. Todos foram liberados após avaliação médica, com a orientação de retorno após 30 dias para conclusão do tratamento.

Os demais ou se recusaram a fazer o teste rápido, ou já tinham passado da janela de 72 horas preconizadas para início do tratamento. Com isso, serão acompanhados, de forma rotineira no Hospital Correia Picanço, para monitorar possíveis infecções. O hospital ressalta que os índices de transmissão por meio de picadas com agulhas infectadas são considerados baixos, em média 0,3%.

A Secretaria Estadual de Saúde e o Hospital Correia Picanço já estão em contato com a Polícia Civil de Pernambuco para colaborar com as investigações e a unidade de saúde tem orientado todos os pacientes a registrarem os respectivos boletins de ocorrência junto aos órgãos competentes para reforçar as investigações.

Exames das vítimas não foram divulgados e a Polícia instala nesta quinta-feira uma delegacia móvel no local para facilitar as denúncias.

A Polícia Civil pede às vítimas que procurem delegacias para registrarem boletins de ocorrência. As pessoas chegaram à unidade de saúde relatando que sentiram a picada nas costas ou na parte posterior do braço quando estavam brincando Carnaval. 

 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários