Pernambuco manda celulares apreendidos em presídios para estudantes de tecnologia

Os equipamentos serão destinados a estudantes de cursos de tecnologia em situação de vulnerabilidade social

Por O Dia

Os cursos do CRC são destinados a estudantes do ensino médio de escolas públicas e em situação de vulnerabilidade
Os cursos do CRC são destinados a estudantes do ensino médio de escolas públicas e em situação de vulnerabilidade -

Recife - Em vez de destruir e descartar os celulares apreendidos nas entradas e revistas das unidades prisionais, o Governo de Pernambuco, por meio da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH), resolveu dar outro encaminhamento aos equipamentos. A partir de abril, todos os aparelhos eletrônicos apreendidos serão destinados a estudantes de cursos de tecnologia em situação de vulnerabilidade social. 

De acordo com o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, o envio dos materiais eletrônicos apreendidos ao Centro de Recondicionamento de Computadores do Recife (CRC) visa promover aprendizado aos jovens e a preservação do meio ambiente.

Envio dos materiais eletrônicos apreendidos ao CRC visa promover aprendizado aos jovens e a preservação do meio ambiente - Ray Evllyn/SJDH

"Não podemos ficar com o lixo eletrônico que vem das unidades prisionais, nem comprometer o meio ambiente jogando o resíduo fora. Eu gostaria de não apreender nenhum celular em unidades prisionais, mas como isso ainda acontece, precisamos dar um destino a eles para que não retornem à prisão", diz.

Para tanto, um termo de cooperação técnica foi assinado pelo secretário e pelo presidente do CRC, Sávio França, nesta quarta-feira (17/04), em solenidade na sede do Instituto, no bairro de Dois Irmãos, no Recife.

Na Região Metropolitana do Recife (RMR), cerca de 80 jovens são beneficiados pelos cursos no bairro de Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes - Ray Evllyn/SJDH

Ao chegarem no Centro, os aparelhos são separados. O plástico é destruído e descartado conforme a política de descarte de resíduos sólidos.

As placas, baterias e vibra calls são transformados em robôs, bengalas e chapéus sonoros para deficientes visuais, entre outras ferramentas. Já o vidro pode virar luminárias e quadros. “Tudo que a gente faz tem um sentido. E hoje o que nós queremos é ser ponte para que esses jovens tenham um futuro brilhante” pontua o presidente do CRC, Sávio França.

Plástico é destruído e descartado conforme a política de descarte de resíduos sólidos - Ray Evllyn/SJDH

Os cursos do CRC são destinados a estudantes do ensino médio de escolas públicas e em situação de vulnerabilidade. Na Região Metropolitana do Recife (RMR), cerca de 80 jovens são beneficiados pelos cursos no bairro de Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes. As atividades também se estendem ao interior do Estado. No total, mais de 15 mil estudantes já passaram pelo CRC e, destes, mais de 3.500 já estão no mercado de trabalho. 

Em 2018, a Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres) apreendeu 2.410 aparelhos nas 23 unidades do Estado. No primeiro trimestre deste ano, cerca de 600 equipamentos já foram recolhidos.

 

Galeria de Fotos

Os cursos do CRC são destinados a estudantes do ensino médio de escolas públicas e em situação de vulnerabilidade Ray Evllyn/SJDH
Envio dos materiais eletrônicos apreendidos ao CRC visa promover aprendizado aos jovens e a preservação do meio ambiente Ray Evllyn/SJDH
Plástico é destruído e descartado conforme a política de descarte de resíduos sólidos Ray Evllyn/SJDH
Na Região Metropolitana do Recife (RMR), cerca de 80 jovens são beneficiados pelos cursos no bairro de Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes Ray Evllyn/SJDH

Comentários