Carlos Bolsonaro continua a atacar Hamilton Mourão

'O que se vê desde a época da transição é um 'interesse' 'crocodilal' em situações desnecessárias', tuitou o vereador do Rio ao compartilhar um texto sobre vice-presidente

Por O Dia

Carlos Bolsonaro é vereador desde 2001
Carlos Bolsonaro é vereador desde 2001 -

Brasília - O filho do presidente Jair Bolsonaro e vereador do Rio Carlos Bolsonaro voltou a criticar o vice-presidente Hamilton Mourão nesta quinta-feira. "O que se vê desde a época da transição é um 'interesse' 'crocodilal' em situações desnecessárias", tuitou. Carlos compartilhou uma nota de jornal em que o presidente do PRTB, Levy Fidélyx, diz que o general poderia intervir onde quisesse no governo de transição. 

"Aos que pedem para eu parar, digo que se informar ou não é uma escolha e estamos todos no mesmo barco chamado Brasil, mas nos recuperando!", escreveu.

O vereador também escreveu na noite de quarta-feira que mostra a verdade e informa e disse que não busca o impeachment de Mourão. "Dou gargalhadas quando algum ser tenta induzir que busco IMPEACHMENT de quem quer que seja! Informar e mostrar a verdade de POSICIONAMENTOS INADEQUADOS e ANTERIORES a qualquer crítica por mim revelada virou motivo para distorções e fakenews. Palavra acima jamais citada por mim", publicou.

Na terça-feira, o porta-voz da Presidência da República, general Rêgo Barros, disseque o presidente Jair Bolsonaro queria colocar um ponto final na desavença pública entre o filho e o vice-presidente da República. Apesar disso, o porta-voz não respondeu se o presidente tomou alguma medida prática ou conversou reservadamente sobre as críticas públicas com o filho ou o vice. Rêgo Barros tratou o tema como uma "pretensa discussão" entre Carlos Bolsonaro e Mourão.  

Mas, no dia consecutivo, na quarta-feira, Carlos voltou a atacar Mourão. Ele citou uma entrevista em que o vice-presidente defendeu a permanência no Brasil do ex-deputado Jean Wyllys, do PSOL. O ex-parlamentar desistiu de assumir o mandato para qual foi eleito após sucessivas ameaças.

“Caiu no colo de Mourão algo que jamais plantou. Estranhíssimo seu alinhamento com políticos que detestam o presidente. Qualquer um sabe que Jean Willians não saiu do Brasil por perseguição, mas por uma esperta jogada política cultural”, insinuou.

Ele emendou: “Lembro que não estou reclamando do vice só agora e tals.... São apenas informações! Não ataco ninguém”.

Após novos ataques do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), o vice-presidente Hamilton Mourão evitou aumentar a polêmica em torno do assunto. "O que eu falei ontem? Quando um não quer, dois não brigam. Então esse assunto, vira página", disse ao chegar ao Palácio do Planalto após almoço, nesta quarta-feira, 24.

Perguntado se conversa com Jair Bolsonaro sobre a ofensiva de Carlos, Mourão disse que "tudo é motivo" para falar com o presidente. "Mas a gente procura levar sem aumentar as tensões. As tensões do dia a dia já são suficientes e não precisa aumentar isso aí."

O vice disse não ver desavenças entre Jair Bolsonaro e o filho, considerando que o presidente está sem publicar no Twitter desde o domingo de Páscoa. "Pai e filho é pai e filho, não tem essas desavenças. Vamos aguardar. Eu falei ontem a frase da minha mãe: dê tempo ao tempo", declarou.

Entorno

Outros aliados e pessoas próximas de Jair Bolsonaro também estão envolvidos nas rusgas públicas entre Mourão e Carlos. Na quarta, o o jornal O Estado de S. Paulo publicou uma entrevista com o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), irmão de Carlos, em que o parlamentar endossa as críticas do irmão. Para ele, as declarações de Mourão têm causado "ruído" e Carlos está "apenas reagindo".

Comentários