Em entrevista a jornais, Lula diz que tem 'uma obsessão': 'desmascarar Moro e Dellagnol'

Na primeira entrevista concedida após a prisão, ex-presidente disse que país tem sido governado 'por um bando de maluco' não poupou críticas à Lava Jato e se disse 'grato' a Mourão

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Ex-presidente disse que tem 'uma obsessão': desmascarar Moro e Dellagnol
Ex-presidente disse que tem 'uma obsessão': desmascarar Moro e Dellagnol -

Brasília - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse em entrevista aos jornais "Folha de S.Paulo" e "El País", concedida nesta sexta-feira e publicada nesta tarde nos sites das duas publicações, que o Brasil precisa fazer uma autocrítica e tem sido governado "por um banco de maluco". Ele agradeceu ainda a solidariedade do vice-presidente Hamilton Mourão quando da morte do neto dele, Artur, e disse que tem 'uma obsessão': 'desmascarar Moro e Dellagnol'.

Esta é a primeira entrevista que o ex-presidente concede depois da prisão, em 7 de abril do ano passado. "Vamos fazer uma autocrítica geral neste País. O que não pode é este País estar governado por esse bando de maluco. O País não merece isso, e sobretudo o povo não merece isso", disse o ex-presidente.

Aos jornalistas, Lula afirmou que era "grato" a Mourão "pelo que ele fez na morte do meu neto". O ex-presidente disse que, se sair da prisão, quer "conversar com os militares" para entender o ódio ao PT.

O petista criticou ainda o ministro da Justiça, Sergio Moro. Para ele, o ex-juiz, que o condenou à prisão, "não sobrevive na política". "Eu tenho certeza de que durmo todo dia com a minha consciência tranquila. E tenho certeza de que o (Deltan) Dallagnol não dorme, que o Moro não dorme."

Segundo o relato do jornal, os jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas tiveram de ficar a quatro metros do ex-presidente. Lula respondeu às perguntas diante de uma mesa, da qual os entrevistadores não podiam se aproximar. A Polícia Federal informou aos presentes que a medida era o cumprimento de um protocolo de segurança comum a todos os presos.

Comentários