Mais Lidas

Eduardo Bolsonaro diz que entende revolta de Carlos e sugere que Mourão faça reflexão

'As declarações de Mourão vão na contramão do que o presidente prega. O papel do vice é substituir o presidente e cumprir as missões que o presidente dá', afirmou o deputado federal

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP)
Deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) -

São Paulo - O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro, disse na sexta-feira à noite que "entende a revolta" de seu irmão Carlos, vereador do Rio de Janeiro pelo PSC, ao criticar o vice-presidente Hamilton Mourão. Eduardo sugeriu que Mourão fizesse uma autorreflexão.

"As declarações de Mourão vão na contramão do que o presidente prega. O papel do vice é substituir o presidente e cumprir as missões que o presidente dá", afirmou, em resposta durante entrevista na RedeTV. Ao Broadcast/Estadão, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, Eduardo já havia endossado esta semana as críticas que seu irmão Carlos tem lançado sobre Mourão.

O deputado federal, contudo, disse ontem que esse assunto é página virada e que o momento é de focar na reforma da Previdência. "As críticas são válidas, mas já deu", disse.

Olavo de Carvalho

Na entrevista, Eduardo minimizou a existência de um atrito no governo entre olavistas e militares. Para ele, quando o filósofo Olavo de Carvalho critica alguns militares do governo, são declarações direcionadas ao indivíduo que é criticado e não aos militares em geral. Se Olavo fosse contra os militares, argumentou, estaria sendo contra também o próprio presidente, que é capitão da reserva.

"O Olavo é muito crítico, é rigoroso, às vezes fala palavrão, mas é uma referência filosófica (para o governo). O que o Olavo falava há 20, 30 anos aconteceu. Ele tem uma sensibilidade muito grande, vale a pena escutar o que o Olavo fala", disse.

Eleições

O deputado federal negou que esteja se movimentando para ser candidato a prefeito de São Paulo em 2020 e disse também que ainda não sabe se o pai dele está interessado em ser candidato à reeleição em 2022. "Ele meio que desconversa", disse.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários