Brasil confirma oito casos de coronavírus

O total de casos suspeitos somam 636 até então

Por O Dia

Passageiros e funcionários circulam vestindo máscaras contra o novo coronavírus (Covid-19) no Aeroporto Internacional Tom Jobim - Rio Galeão
Passageiros e funcionários circulam vestindo máscaras contra o novo coronavírus (Covid-19) no Aeroporto Internacional Tom Jobim - Rio Galeão -
Brasília - O Ministério da Saúde confirmou, nesta quinta-feira, que o Brasil já tem oito casos confirmados do Covid-19 (coronavírus), sendo um deles assintomático. Os locais de residência são, de acordo com o novo balanço: São Paulo (6), Rio de Janeiro (1) e Espírito Santo (1), sendo confirmadas duas transmissões em território brasileiro.
O número de casos suspeitos de coronavírus na quarta-feira era de 55 no Rio. Nesta quinta-feira, o número foi atualizado para 79. No Brasil, subiu para 636 o número de casos suspeitos monitorados. Outros 378 já foram descartados após testagem. 
Casos notificados X casos suspeitos

Notificados - Ainda não é considerado como caso suspeito, já que depende de avaliação de critérios definidos pelas autoridades sanitárias.

Suspeitos - Caso atende aos critérios das autoridades e será confirmado ou descartado com base em análise laboratorial.


Processo de confirmação ou descarte de casos

Caso o paciente esteja com os sintomas do Coronavírus e tenha viajado para países com circulação ativa do vírus, o primeiro passo é procurar uma unidade de saúde para buscar assistência. No local, o profissional da unidade vai colocar em prática o protocolo de atendimento para casos a serem investigados - como uso de equipamento de segurança e isolamento do paciente -, além de notificar a Vigilância Municipal a respeito do caso.

Além disso, o profissional de saúde realizará coleta do material para análise, que será entregue pela Vigilância Municipal ao Laboratório Central Noel Nutels (Lacen-RJ). No Lacen, o material é dividido em duas partes. Uma parte da amostra é analisada na própria unidade, investigando vírus respiratórios comuns, e a outra é enviada à Fiocruz, que realiza a testagem para o coronavírus. A SES esclarece ainda que o acompanhamento do paciente e pessoas que entraram em contato com ela é realizado pela Vigilância Municipal de cada cidade.


Organização da resposta a um possível surto

- Nível Zero – Casos importados notificados ou confirmados.

- Nível de Ativação 1 – Transmissão autóctone de Coronavírus no estado do Rio de Janeiro.

- Nível de Ativação 2 – Transmissão sustentada na Região Metropolitana do Estado do Rio de Janeiro.

- Nível de Ativação 3 – Quando as ações e atividades orientadas para serem realizadas no Nível 2 de ativação forem insuficientes como medidas de controle e para a organização da rede de atenção na resposta. E, ainda, quando a rede de atendimento definida for incapaz de atender à demanda. Caso o surto chegue a esse nível, além de todas as unidades citadas anteriormente, será criado pela Secretaria de Estado de Saúde um hospital de campanha e as Forças Armadas serão acionadas. Haverá ainda a utilização de leitos em unidades especializadas, com a suspensão de cirurgias eletivas.

Medidas de prevenção

- Proteger nariz e boca ao espirrar ou tossir

- Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres e copos

- Lavar frequentemente as mãos, especialmente após espirrar ou tossir

- Evitar ambientes com muita aglomeração

- Utilizar álcool em gel nas mãos


O que fazer em caso de suspeita?

Se estiver com febre ou sintomas respiratórios e tiver vindo de países com casos de coronavírus:

- Cubra o rosto com máscara cirúrgica

- Vá à unidade básica de saúde, hospital de emergência ou à UPA mais próxima

- Siga as orientações dos profissionais de saúde

- Siga as medidas de prevenção: lave as mãos frequentemente, cubra o rosto ao tossir e espirrar, não compartilhe objetos de uso pessoal, evite locais de grande aglomeração, utilize álcool em gel para as mãos
 
 

Comentários