Coronavírus: PF suspende atendimento ao público no Rio de Janeiro

Polícia Federal atenderá, no entanto, casos considerados de extrema necessidade. A expedição e entrega de passaportes, por exemplo, só será permitida a pessoas que tenham viagem marcada para até 30 dias

Por Agência Brasil

O passaporte brasileiro atualmente tem validade de dez anos
O passaporte brasileiro atualmente tem validade de dez anos -
São Paulo -  A Polícia Federal (PF) decidiu suspender todo o atendimento ao público em suas dependências no estado do Rio. O motivo é a pandemia de coronavírus (Covid-19), que já contaminou mais de 30 pessoas no estado.

Mesmo os atendimentos agendados estão suspensos na superintendência, nas delegacias do interior e nos postos de emissão de passaportes a partir de hoje (17).

A PF atenderá, no entanto, casos considerados de extrema necessidade. A expedição e entrega de passaportes, por exemplo, só será permitida a pessoas que tenham viagem marcada para até 30 dias.

Atendimentos a imigrantes só serão feitos nos casos em que haja necessidade de regularização migratória para exercício inadiável de direitos essenciais, como situações de trabalho que possam gerar penalidades aos empregadores.

A PF também decidiu prorrogar os prazos de vencimento de protocolos, carteiras e outros documentos relativos à regularização migratória.

A validade das reciclagens de vigilantes que vence a partir de 12 de março foi prorrogada até 12 de julho.

A PF informou que manterá a suspensão do atendimento ao público enquanto durar a situação de emergência provocada pela pandemia de coronavírus.
A Polícia Federal afirmou, nesta segunda-feira, que os atendimentos das unidades "referentes aos serviços de emissão de Passaportes e de Regularização Migratória de imigrantes, mesmo que previamente agendados, estarão limitados às situações consideradas de extrema necessidade, segundo avaliação da unidade descentralizada, conforme os seguintes parâmetros gerais".

Esta é mais uma medida da PF em suas dependências para conter o avanço do coronavírus. Além das restrições, a PF em São Paulo, por exemplo, já havia decidido restringir os trabalhos relacionados a imigrantes. Em todo o país, foi suspenso o curso de formação profissional dos novos agentes.
* Com Estadão Conteúdo

Comentários